Tragédia de Hillsborough. 30 anos depois começa julgamento de polícia responsável pela segurança

Faz em abril 30 anos que 96 pessoas morreram no estádio de Hillsborough, muitas delas esmagadas. Começa esta segunda-feira o julgamento do polícia responsável pela operação de segurança no recinto e do secretário do Sheffield Wednesday.

Quase 30 anos após a morte de 96 pessoas em Sheffield (Inglaterra) antes do jogo entre o Liverpool e o Nottingham Forest, para as meias-finais da Taça de Inglaterra, começa esta segunda-feira o julgamento do oficial da polícia que liderava a operação de segurança no estádio de Hillsborough nesse dia: David Duckenfield, acusado de homicídio por negligência grosseiro.

Duckenfield tinha sido promovido ao posto de superintendente-chefe quando assumiu o comando das operações de segurança para aquele jogo disputado a 15 de abril de 1989. Agora, é acusado de ter falhado no dever de cuidar da segurança dos espetadores, principalmente dos adeptos do Liverpool que foram colocados numa zona do estádio que estava superlotada.

Nesse dia tentaram entrar no recinto 54 mil pessoas, 24 mil deles adeptos do Liverpool que como não tinham lugar no espaço que lhes tinha sido atribuído e começaram a empurrar-se até que a vedação cedeu com pessoas a serem esmagadas. As investigações que se sucederam apontaram ainda o mau estado de conservação do estádio e o não cumprimento das normas mínimas de segurança como causas da tragédia que além das 96 mortes provocou 766 feridos.

De acordo com o diário inglês The Guardian Graham Mackrell, o secretário do Sheffield Wednesday e o oficial de segurança do clube na altura também vai ser julgado com a acusação de não ter cumprido as suas funções no que diz respeito à segurança relacionada com a utilização de torniquetes para controlar a entradas de adeptos, o que foi uma violação do certificado de segurança do clube prevista na Lei de Segurança do Desporto de 1975. Também responde pela falta de planos de contingência para lidar com grandes concentrações de pessoas.

O julgamento deverá durar quatro meses terminando em maio o que fará com que ainda existam sessões a 15 de abril quando se assinalará o 30.º aniversário da tragédia. As acusações a Duckenfield e Mackrell foram conhecidas em junho de 2017 e basearam-se na investigação efetuada por um painel independente que foi nomeado em 2009, no 20.º aniversário da tragédia.

Nas audiências prévias ao julgamento os dois acusados disseram estar inocentes. A pena máxima por homicídio doloso por negligência grosseira, se Duckenfield for condenada, é prisão perpétua. Mackrell enfrenta uma condenação a dois anos de prisão e uma multa com valor a estabelecer em tribunal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.