Sp. Braga impõe derrota ao Benfica e está com um pé na final da Taça

As bracarenses vencem as encarnadas por 2-1, continuam invictas e dão passo de gigante para o Jamor.

A equipa feminina do Sp. Braga deu neste domingo um passo de gigante para garantir a presença na final da Taça de Portugal ao vencer o Benfica, por 2-1, em jogo da primeira mão das meias-finais, disputado no Estádio da Tapadinha, em Lisboa.

As bracarenses, líderes do campeonato da I Divisão, continuam assim invictas nesta temporada, tendo infligido a primeira derrota em jogos oficiais da equipa do Benfica, que atua na II Divisão nacional. A segunda mão realiza-se no dia 20 de abril no Estádio 1.º de Maio, em Braga, estando as encarnadas obrigadas a dar a volta à eliminatória para conseguirem alcançar a final da prova marcada para o Estádio Nacional.

Com o presidente Luís Filipe Vieira na bancada da Tapadinha, o Benfica até esteve em vantagem graças a um remate de Darlene Souza, na sequência de um pontapé de canto, aos 25 minutos.

No entanto, as bracarenses responderam ainda antes do intervalo com um empate marcado por Jana, de cabeça, a aproveitar uma saída em falso da guarda-redes Dani Neuhaus, na sequência de um canto. O Sp. Braga acabou por marcar o golo da vitória à passagem dos 68 minutos, quando Ágata Filipe fez o 2-1 num canto que entrou diretamente na baliza benfiquista.

Depois disso, o Benfica tentou tudo para evitar a derrota, mas a equipa do Sp. Braga defendeu a vantagem no marcador com unhas e dentes.

João Marques: "Benfica vai estar no Jamor"

João Marques, treinador do Benfica, fez questão de dizer no final da partida que "o sonho do Jamor continua vivo". "A minha equipa foi mais forte nos 90 minutos, com atitude, querer e compromisso. Conhecíamos bem o jogo do Braga, mas infelizmente sofremos dois golos de bola parada. O resultado não espelha o que aconteceu durante o jogo", assumiu, deixando uma garantia: "No dia 18 de maio, a equipa que vai estar na final do Jamor vai ser o Benfica. Sabemos da nossa qualidade e vamos dar a volta na segunda parte desta eliminatória."

O técnico encarnado aconselhou depois a equipa de arbitragem a "analisar o jogo e ver o que não correu bem". "É complicado fatores extra jogo não nos possibilitarem outro resultado. Este é um conselho construtivo", acrescentou.

Miguel Santos: "O resultado foi melhor que a exibição"

Por sua vez, Miguel Santos, treinador do Sp. Braga, admitiu que "o resultado foi melhor do que a exibição", porque "atendendo ao estado do relvado, o Benfica esteve em vantagem".

"O Braga teve problemas de adaptação ao relvado, mas conseguiu contornar isso, não se abalou, chegou ao empate e fez uma segunda parte mais bem conseguida. Na segunda mão, esperamos que seja outro tipo de jogo, no nosso relvado do 1.º de Maio", frisou, dedicando o triunfo aos adeptos que se deslocaram a Lisboa.

No outro jogo da primeira mão da meia-final, o Valadares de Gaia recebeu e venceu o Clube Albergaria por 1-0, numa partida realizada neste sábado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.