Fantasma do Jamor ainda assustou Conceição

FC Porto venceu o Belenenses no Estádio Nacional por 3-2 com um golo aos 90+6'. Azuis (que já não são) do Restelo anularam dois golos de desvantagem, uma situação que deve ter avivado a memória do técnico campeão nacional

O FC Porto venceu neste domingo no Jamor o Belenenses por 3-2 mas teve de suar muito para conseguir os três pontos diante da equipa do Restelo e, vendo bem, não é líquido que os dragões tenham ganho a partida com inteira justiça

O jogo não começou bem para os portistas que viram a formação de Silas ter as melhores oportunidades, por Keita e Fredy. O Belenenses tem uma forma de jogar muito própria. O seu treinador quer ver o Belenenses a construir de trás, como uma equipa grande e disso não abdica. O FC Porto devia estar avisado, mas pareceu surpreendido. Ainda assim foi-se adaptando às circunstâncias (adversário, relvado e calor) e começou por atirar uma bola à trave por André Pereira. Quase logo a seguir o jovem Diogo Leite fez o seu primeiro golo como profissional; fugiu a Sasso e cabeceou para o fundo da baliza.


Esse golo teve o condão de fazer crescer o FC Porto ao passo que o Belenenses esmorecia, talvez um pouco desconfiado sobre as suas reais possibilidades de obter um bom resultado.

A segunda parte iniciou-se com um tremendo disparate de Dálcio que tinha substituído o lesionado Ljujic aos 40'. O médio atrasou a bola para Muriel mas Otávio apanhou a bola a meio caminho, ladeou o irmão do guarda-redes Alisson, do Liverpool, e marcou.

A teimosia de Silas

Aqui surgiu a (boa) teimosia de Silas. O treinador não deixou de 'obrigar' a sua equipa a jogar como um grande apesar de ter sofrido um golo devido a essa ideia de jogo. Pensava-se que o vencedor estava encontrado, mas esse lance teve o condão de acalmar o Belenenses que conseguiu reduzir num penálti cometido por Diogo Leite - jogou a bola com o braço na área - e convertido aos 55' por Fredy.


Iniciou-se a fase mais interessante do jogo em que todos os espectadores tinham uma certeza; de que ia haver, pelo menos, mais um golo. Depois entraram em ação os guarda-redes, Muriel impediu o golo de Brahimi e Casillas susteve remates perigosos de golo feito de Licá e Keita.

À entrada dos dez minutos finais Fredy recebeu em profundidade uma bola, trabalhou muito bem sobre Felipe e cruzou direitinho para a cabeça de Keita. Estava feito o empate com Brahimi já no banco, depois de ter sido rendido por Hernâni.

Não custa adivinhar o que terá passado pela cabeça de Sérgio Conceição quando viu Keita fazer o empate e, assim, esbanjar dois golos de vantagem da sua equipa. A 31 de maio de 2015, há mais de três anos, na última vez em que Sérgio Conceição esteve naquele palco, o Sp. Braga vencia o Sporting por 2-0 na final da Taça de Portugal mas entre os 84' e os 90+2' o Sporting empatou - e depois ainda ganhou nas grandes penalidades.

"Há três anos, na última vez que pisou o Jamor, Sérgio Conceição desperdiçou uma vantagem de dois golos, não custa adivinhar o que passou pela cabeça do treinador quando Keita marcou"



Contudo, o fantasma de Sérgio Conceição foi atenuado por um lance aos 90+6', altura em que Carlos Xistra se decidiu pela marcação de uma grande penalidade; Herrera rematou, a bola bateu no braço de Henrique e foi ao poste. No entanto é preciso dizer que a bola bateu no braço do jogador belenenses quando o mesmo se encontrava de costas. Alex Telles, na marcação, não perdoou, enganando Muriel.

O FC Porto venceu, mas teve um pouco de estrelinha do seu lado. O triunfo permite-lhe continuar na liderança do campeonato com duas vitórias em dois jogos (pode consultar a classificação aqui).

Figura

Fredy - O angolano de 28 anos fez uma exibição que vai recordar durante muito tempo. Converteu o penálti que relançou o jogo e assistiu Keita para o empate com um trabalho de classe nas barbas de Felipe, recentemente chamado à seleção do Brasil. Fez mais dois passes para golo e a defesa do FC Porto percebeu que quando a bola chegava aos pés do dianteiro tinha de ter sempre atenção redobrada, o que é um sinal de respeito.

FICHA DE JOGO

Jogo no Estádio Nacional, Oeiras.

Belenenses - FC Porto, 2-3

Ao intervalo: 0-1.

Marcadores:

0-1, Diogo Leite, 26 minutos.

0-2, Otávio, 46.

1-2, Fredy, 55 (grande penalidade).

2-2, Keita, 83.

2-3, Alex Telles, 90+6 (grande penalidade).

Belenenses: Muriel, Diogo Viana (Sagna, 70), Sasso, Gonçalo Silva, Zakarya, Lucca, Nuno Coelho, Matija Ljujic (Dalcio, 39), Fredy, Keita, Lica (Henrique Almeida, 66).
Treinador: Silas.

FC Porto: Casillas, Maxi Pereira, Felipe, Diogo Leite, Alex Teles, Herrera, Sérgio Oliveira, Brahimi (Hernâni, 81), Otávio (Oliver, 73), Aboubakar, André Pereira (Corona, 64).
Treinador: Sérgio Conceição.

Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Diogo Leite (54), Aboubakar (71), Felipe (89), Lucca (90+1), Henrique Almeida (90+6).

Assistência: Cerca de 12.000 espetadores.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.