Sérgio Conceição: "Não estamos focados no Rafa, no Rui Costa ou no Mantorras..."

Treinador portista fez esta sexta-feira a antevisão do clássico deste sábado frente ao Benfica (19.00), no Estádio da Luz

Sérgio Conceição assumiu esta sexta-feira ter "consciência" de que este sábado o FC Porto vai "ter um desafio difícil" frente ao Benfica, no Estádio da Luz (19.00). "É um dos clássicos mais conhecidos a nível europeu e mundial. É sempre um desafio interessante para as duas equipas", frisou.

O técnico portista garante que, embora se esteja numa fase muito inicial da época, os rivais já se conhecem bem: "Com a informação que existe hoje e a análise que é feita e pelo conhecimento que as equipas técnicas têm hoje, não há grandes segredos. O foco está na equipa do FC Porto e em preparar da melhor forma o jogo frente a um Benfica com um coletivo dos mais fortes dos últimos anos"

Apesar do grande momento que o extremo benfiquista Rafa atravessa, Conceição diz estar a preparar a melhor forma de travar o que o Benfica é enquanto equipa. "Não olhámos para um jogador do Benfica. Não estamos focados no Rafa, no Rui Costa ou no Mantorras... Estamos atentos ao que o Benfica é coletivamente, para virmos de Lisboa com os três pontos", atirou, bem-humorado.

Conceição revelou ainda que o reforço Shoya Nakajima "não vai estar presente" no clássico após ter viajado esta semana para o Japão para assistir ao nascimento da filha. E uma vez que a mãe e a filha necessitam de maior acompanhamento clínico, o FC Porto autorizou o jogador a manter-se ausente. "O futebol é algo muito importante nas nossas vidas e dedica-nos muitas horas, mas o futebol faz parte da vida e não é a vida. Por isso envio-lhe um abraço não de treinador para jogador mas de pai para pai", frisou.

Motivação por vir de uma goleada? "A emoção vale por vestirmos a camisola que tem este símbolo. Isso por si só é emocionante e uma grande responsabilidade. Toda a gente quer disputar um clássico, mas a motivação não tem de vir de uma vitória por 4-0 frente ao V. Setúbal. A motivação tem de ser igual."

Vai ser um jogo de espetáculo? "Espetáculo é tudo isto. Conferência de imprensa, antevisão de jogo e depois quando o árbitro apita é o mais importante. Aí a preparação do jogo é fundamental, conhecendo o adversário mas olhando muito por dentro."

Benfica sem sofrer golos? "Tem cometido erros, mas os adversários não têm aproveitado. Todas as equipas têm fragilidades e queremos aproveitar essas situações para marcar golos e não sofrer."

Marchesín? "Olhamos para as características dos jogadores antes de iniciarmos uma negociação. Hoje em dia um guarda-redes tem de jogar bem com os pés e, no caso de uma equipa como o FC Porto que joga em 70 por cento das situações no meio-campo ofensivo, é importante que seja rápido."

Caça ao Rafa? "Primeiro, o Rafa é um elemento importante na dinâmica do Benfica em situações de ataque rápido e contra-ataque. É normal que aconteçam faltas, mas também acontecia com o Brahimi e acontece com o Luís Diaz. Faz parte do que é o futebol. Mas os adversários do Benfica têm sido bem castigados: 11 cartões amarelos nas duas primeiras jornadas."

Clássico importante para as contas do título? "O FC Porto há dois anos bateu o recorde de pontos, mas ganhou só um campeonato. Os clássicos têm um peso importante desde que se consigam ganhar os outros jogos. Há 102 pontos em disputa. Isto sem querer aliviar pressão, porque gosto da pressão."

Benfica mais favorito? "Não vejo as coisas por aí. Preparamos a equipa de forma totalmente confiante e estamos muito focados e motivados para ganhar o jogo. O bom ou mau momento das equipas fica em banho-maria quando o árbitro apita. O Drulovic disse que se o FC Porto perdesse que me iam pedir a cabeça. Dou tanto ao FC Porto que me podem levar a cabeça."

Jogadores novos inexperientes em clássicos? "Todos os jogadores hoje tem a noção do que são os jogos. Os jogadores estão habituados a jogar jogos deste nível noutros países. Com tempo e trabalho vamos afinando um ou outro pormenor que seja importante."

Sistema tático? "A estrutura da equipa tem sido a mesma, à exceção de um jogo... que por acaso não correu bem. O sistema tem sido a mesma, mas podemos provocar situações diferentes no 4x4x2. Posso quer laterais mais ofensivos, um mais ofensivo e outro não... depende daquilo que eu quero para o jogo."