"Sem dinheiro o râguebi português vai estar sempre a apagar fogos"

O processo que conduzirá às eleições para a Federação Portuguesa de Rugby, este mês, arrasta-se sem fim à vista e Lourenço Fernandes Thomaz, agastado, declara que, se o ato eleitoral não for marcado rapidamente, a sua candidatura poderá mesmo ser abandonada.

Primeiro e até aqui único candidato às próximas eleições para a presidência da Federação Portuguesa de Rugby (FPR), Lourenço Fernandes Thomaz, 48 anos, mostra-se preocupado perante os sucessivos atrasos na marcação do ato eleitoral por parte do presidente da mesa da Assembleia Geral da FPR e numa comunicação enviada esta semana a todos os clubes, dá conta de que a sua disponibilidade para se candidatar se "tornou provisória" e que não tenciona mantê-la "para além de meados de fevereiro". O DN foi ouvir o sócio fundador da maior agência de publicidade portuguesa, ex-vice-presidente federativo entre 2007/09, antigo praticante do CDUL dos 7 aos 32 anos, internacional em todos os escalões em quinze e "sevens" e que no ano passado encerrou um ciclo iniciado em 2009 de nove anos como presidente do seu clube de sempre.

O que o levou a tornar pública esta declaração?

Na sequência da demissão da antiga direção presidida pelo Luís Cassiano Neves, no passado dia 26 de julho, em Assembleia Geral, os delegados decidiram nomear uma Comissão de Gestão provisória para a FPR que assumiria o poder somente até final de janeiro, princípios de fevereiro, quando aconteceriam novas eleições para a presidência da federação. Ora já estamos em pleno mês de fevereiro, o processo de avaliação dos delegados eleitorais arrasta-se e até hoje não há notícias de qualquer data para as eleições. E todos sabemos que, ainda que fossem marcadas hoje, há períodos que têm de ser respeitados e que obrigatoriamente atirariam com o ato eleitoral lá para o fim desta época desportiva, ou seja, praticamente um ano depois da demissão da anterior direção.
Como tudo o que é provisório não traz segurança, liderança nem grande credibilidade para jogadores, dirigentes e muito menos para os patrocinadores, sempre pensei que a duração deste mandato fosse apenas a estritamente necessária, transitória entre mandatos e limitada a meros atos de gestão corrente.

E o que quis dizer com a manifestada "disponibilidade provisória" para se candidatar?

Foi em nome do râguebi português que mostrei a minha disponibilidade para ir a votos e ainda antes da criação da Comissão de Gestão. Fi-lo, confiando que os "timings" iriam ser respeitados, acreditando que os interesses do râguebi nacional seriam salvaguardados. Em vez de andar em campanha de norte a sul a fazer promessas, fui preparando a candidatura de outra maneira. Falei com pessoas que considero importantes para fazerem parte da minha equipa e contactei patrocinadores que estavam disponíveis, na data prevista, a investir no râguebi português. Uma comissão provisória não dá qualquer segurança, até por que há decisões estratégicas e estruturais a longo prazo a tomar urgentemente. E até para os membros da Comissão é mau este prolongar excessivo do seu mandato. Ora perante este cenário de indefinições e adiamentos é natural que a minha disponibilidade esteja afetada.

Quer dizer que essa questão dos patrocinadores é essencial...

Que ninguém tenha quaisquer dúvidas. Sem patrocinadores nada se faz no râguebi português. E fui preparando terreno para que, na eventualidade de ser eleito, pudesse de imediato trazer dinheiro ao râguebi. Ora os patrocinadores têm logicamente os seus "timings", há questões de gestão e vários, gente fora da modalidade, estranham os atrasos e têm-me ligado para saber se sempre se anda para a frente. Ou seja, não é bom para ninguém esta indefinição. Não posso pôr as pessoas em "stand-by" indefinidamente até não se sabe quando...

O que é que sua candidatura pode trazer ao râguebi nacional?

Estamos num momento que é uma encruzilhada em que as coisas estão todas interligadas. O râguebi português tem que mudar a sua imagem. Tem que se tornar um produto vendável e com retorno para quem nele investe. Claro que nunca nos iremos comparar com o futebol, mas há muitos patrocinadores dispostos a investir. Ora gabamo-nos de ser uma modalidade diferente, com outro tipo de valores, mas ultimamente tal não se tem verificado e os episódios tristes sucedem-se.
Há uma série de problemas para resolver. Nomeadamente, temos que tornar o râguebi português mais competitivo e com isso os resultados internacionais vão acabar por aparecer. Agora uma coisa é certa: se não houver dinheiro o râguebi vai estar sempre a apagar fogos, a ser reativo em vez de ativo. Assim não dá!

Em tempos de forte crise como a que se vive, há sempre vozes que apelam ao consenso. Alinharia numa lista de unidade, uma espécie de lista "de salvação nacional" do râguebi português?

Se o consenso existisse na prática faria todo o sentido. Mas infelizmente ele apenas existe em palavras e no papel. Só deveria haver um consenso universal: os valores do râguebi, por que são eles que nos fazem ser diferentes. E as marcas querem associar-se a nós precisamente por sermos distintos. Agora em Portugal cada qual está preocupado com o seu quintal, com a sua agenda pessoal ou de clube.
Por exemplo, os clubes sentaram-se no início da época à mesa para discutir a relevância da seleção nacional de "sevens", todos concordaram que era fundamental criar condições para tentar o regresso ao circuito mundial e a qualificação para os Jogos Olímpicos. Depois, na realidade, alguns não libertaram os seus jogadores logo para os torneios iniciais da temporada...

Como presidente ao longo de nove anos do CDUL, sempre foi reconhecido como alguém que sentia muito a camisola do clube, defendendo intransigentemente os seus interesses. Como presidente da FPR também iria vestir da mesma forma empenhada a camisola federativa, nem que tivesse que ir contra os interesses do seu clube de sempre?

Não tenha dúvidas que irei vestir, sem qualquer problema, a camisola da FPR a 100%. A bem do râguebi português poria sempre a federação à frente, com dois propósitos essenciais: arranjar dinheiro e criar uma estrutura forte para conduzir o râguebi português à modernidade.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.