Mercado. Samaris na iminência de reforçar o Alavés

Médio grego deve transferir-se para o clube basco até ao fecho do mercado. Resta saber em que moldes vai sair, podendo até renovar e ser emprestado. Há quatro anos custou 10 milhões de euros ao vice-campeão nacional

Andreas Samaris vai sair do Benfica e, ao que apurou o DN, tem francas possibilidades de rumar ao Alavés, equipa basca que milita no principal escalão do futebol espanhol. As negociações estão a decorrer em bom ritmo e Samaris, que não tem sido opção para Rui Vitória aceita este destino.

Está por definir apenas como o médio de 29 anos vai deixar a Luz, visto que entrou no seu último ano de contrato. Pode renovar e ser emprestado ao Alavés ou, então, sair a título definitivo ficando o clube da Luz com uma percentagem do passe. Samaris chegou há quatro anos ao Benfica, proveniente do Olympiacos, a troco de 10 milhões de euros.

A 16 de agosto vice-presidente Varandas Fernandes assumiu a dispensa de Samaris por parte de Rui Vitória: "Os empréstimos que o Benfica faz são da competência da equipa técnica. Compete à equipa técnica decidir se algum jogador será cedido. Não quer dizer que os atletas não sejam bons. O Samaris é um jogador que sempre defendeu as cores do Benfica, mas se a equipa técnica decide dispensar o Samaris é porque há vantagens para a própria equipa. O interesse é que o Benfica ganhe."

Na Luz, o médio grego foi campeão três vezes, venceu uma Taça de Portugal, uma Supertaça e duas Taças da Liga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.