Roland Garros proíbe fatos como o que Serena Williams usou após o parto

Presidente da Federação Francesa de Ténis considera que é necessário impor limites. Organização do Grand Slam já foi acusada de racismo e sexismo

Bernard Giudicelli, presidente da Federação Francesa de Ténis, anunciou na sexta-feira que vai proibir fatos como o que Serena Williams usou durante o último torneio de Roland Garros - um macacão preto que ajuda na circulação sanguínea e ajuda na recuperação pós-parto.

Em entrevista, o responsável disse que era preciso impor novas regras: "Acho que, às vezes, somos demasiado liberais. A indumentária de Serena este ano, por exemplo, não vai voltar a ser aceite. Devemos respeitar o jogo e o lugar".

O fato negro e justo ao corpo que a tenista usou no regresso à competição, após cerca de um ano afastada dos courts devido à gravidez, foi desenhado especialmente para si pela Nike, para evitar coágulos, um problema com o qual se debateu após o parto.

Depois do jogo do Grand Slam no qual usou o macacão, Serena afirmou que se sentia como "uma princesa guerreira" com o fato inspirado em Wakanda, uma nação africana do universo da Marvel.

Num post partilhado no Instagram, a norte-americana mostrou o fato, homenageando todas as mães que, como ela, tiveram um pós-parto difícil. "Se eu posso fazer isto, vocês também podem", escreveu.

Ainda não são conhecidos mais detalhes, mas, ao que parece, o próximo Grand Slam não deverá aceitar fatos como aquele que a tenista usou.

Kristen Clarke, presidente do Comité de Direitos Civis dos Advogados norte-americanos, usou o Twitter para criticar a decisão da organização do torneio: "Vamos chamar à restrição do French Open a Serena Williams pelo que ela é na realidade - racista e sexista. Políticas arbitrárias de código de vestuário têm sido desproporcionalmente usadas para visar as mulheres negras nas escolas, no trabalho e agora no court de ténis. Este é um injusto policiamento dos corpos das mulheres negras".

Também a Nike quis mostrar o seu apoio a Serena: "Podem tirar o super-herói do seu fato, mas jamais podem tirar-lhe o seu poder".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.