Roland Garros proíbe fatos como o que Serena Williams usou após o parto

Presidente da Federação Francesa de Ténis considera que é necessário impor limites. Organização do Grand Slam já foi acusada de racismo e sexismo

Bernard Giudicelli, presidente da Federação Francesa de Ténis, anunciou na sexta-feira que vai proibir fatos como o que Serena Williams usou durante o último torneio de Roland Garros - um macacão preto que ajuda na circulação sanguínea e ajuda na recuperação pós-parto.

Em entrevista, o responsável disse que era preciso impor novas regras: "Acho que, às vezes, somos demasiado liberais. A indumentária de Serena este ano, por exemplo, não vai voltar a ser aceite. Devemos respeitar o jogo e o lugar".

O fato negro e justo ao corpo que a tenista usou no regresso à competição, após cerca de um ano afastada dos courts devido à gravidez, foi desenhado especialmente para si pela Nike, para evitar coágulos, um problema com o qual se debateu após o parto.

Depois do jogo do Grand Slam no qual usou o macacão, Serena afirmou que se sentia como "uma princesa guerreira" com o fato inspirado em Wakanda, uma nação africana do universo da Marvel.

Num post partilhado no Instagram, a norte-americana mostrou o fato, homenageando todas as mães que, como ela, tiveram um pós-parto difícil. "Se eu posso fazer isto, vocês também podem", escreveu.

Ainda não são conhecidos mais detalhes, mas, ao que parece, o próximo Grand Slam não deverá aceitar fatos como aquele que a tenista usou.

Kristen Clarke, presidente do Comité de Direitos Civis dos Advogados norte-americanos, usou o Twitter para criticar a decisão da organização do torneio: "Vamos chamar à restrição do French Open a Serena Williams pelo que ela é na realidade - racista e sexista. Políticas arbitrárias de código de vestuário têm sido desproporcionalmente usadas para visar as mulheres negras nas escolas, no trabalho e agora no court de ténis. Este é um injusto policiamento dos corpos das mulheres negras".

Também a Nike quis mostrar o seu apoio a Serena: "Podem tirar o super-herói do seu fato, mas jamais podem tirar-lhe o seu poder".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.