Ricciardi anuncia José Eduardo como responsável para o futebol

"A situação do Sporting não está nem para aventureiros nem para amadores", avisou o banqueiro na apresentação do seu programa eleitoral

José Maria Ricciardi apresentou o programa da sua candidatura às eleições do Sporting e justificou o seu avanço com o facto de não reconhecer a capacidade exigida pelo Sporting em nenhuma das outras listas.

Entre as novidades anunciadas por José Maria Ricciardi esta quarta-feira, no Centro Cultural de Belém, está o nome de José Eduardo, antigo futebolista, que será o responsável por todo o futebol do Sporting, da formação ao futebol profissional, caso o banqueiro ganhe as eleições do dia 8 de setembro.

Além de José Eduardo, foram revelados os nomes do economista Miguel Frasquilho para presidente da Mesa da Assembleia Geral e do advogado Luís Borges Rodrigues para presidente do Conselho Fiscal, bem como o de Diogo Lacerda Machado, advogado conhecido por ser um homem de confiança do primeiro-ministro António Costa, como número 1 da Comissão de Honra desta candidatura.

"Vamos ter uma comissão de honra e quem faz parte dessa comissão são sportinguistas, não são notáveis.
Notáveis são os jogadores, os treinadores, seja de qualquer modalidade", explicou Ricciardi.

"Esta é uma candidatura para agregar, para agregar um clube que devido aos últimos acontecimentos ficou muito dividido, com lutas internas que enfraquecem e que retiram muita capacidade. É tempo do Sporting voltar a ser um clube coeso e uno. É isso que vimos fazer", anunciou o candidato, prometendo: "Vimos para servir o Sporting e não para nos servirmos do Sporting."

O banqueiro mostrou preocupação com a atual situação do clube, deixando um recado para os outros candidatos: "A situação financeira e económica do Sporting não está nem para aventureiros nem para amadores. Ficamos perplexos pela forma ligeira como outros candidatos estão a encarar esta situação. A nossa é uma candidatura com experiência, com capacidade nas mais diversas vertentes e nesta {financeira] também."

José Maria Ricciardi prometeu ainda uma equipa de profissionais a trabalhar no Sporting, "uma equipa que não precisa de ser muito grande, mas eficiente". "Nós, e é esse aspeto que nos distingue, vamos ter grande capacidade de liderança. É preciso ter experiência e ter dado provas na vida dessa capacidade de liderança".

Nessa linha, o banqueiro referiu que a data mais importante para a qual aponta não é a de dia 8 de setembro, data das eleições, mas sim o dia seguinte, 9. "O que nos preocupa é o dia 9 setembro, que é quando se tem de começar a gerir de forma capaz, eficiente, objetiva e com ambição os destinos do Sporting. Por isso o nosso objetivo de candidatura será esse, o dia 9 de setembro. Há muita gente que quer ser presidente e ainda não se lembrou do dia 9".

José Maria Ricciardi disse ainda que quer devolver "a civilidade, o respeito e a elevação" ao Sporting. "Queremos voltar a ser um clube interclassista, transversal, digno, educado, de gente educada, que respeita os outros, que tenta ganhar com fair-play e sem outros métodos. Se ganharmos esta eleição vamos respeitar todos os agentes que integram o futebol, sem deixar de defender os interesses do clube."

Sem pachorra para Bruno de Carvalho

Depois, em resposta às perguntas dos jornalistas presentes, Ricciardi explicou que só agora de candidata à presidência do Sporting, apesar de ter sido um nome falado em várias ocasiões no passado, "porque anteriormente estava em cargos que não permitiam acumular a função" e também devido à "altura muito difícil" que o clube atravessa.

Sobre as declarações do ex-presidente (e também candidato) Bruno de Carvalho, que afirmou que o facto de aparecerem agora tantos candidatos à presidência do clube de Alvalade se deve a ter "deixado lá uma mina de ouro", Ricciardi foi contundente: " Não vou comentar. O dr Bruno de Carvalho é o passado do Sporting. Já falámos de mais dele. Foi destituido por justa cuasa por 72% dos sócios. Já não tenho pachorra para falar do sr Bruno de Carvalho."

O banqueiro prometeu ainda manter a maioria do capital social da SAD na posse do clube, respeitando "a vontade da maioria dos sportinguistas", e afirmou-se "completamente tranquilo" sobre o seu papel no caso BES, do qual resultou a insolvência do banco.

Zeferino Boal é apoiante

Também foi revelado que Zeferino Boal renuncia à sua candidatura própria e passa a integrar a lista da candidatura de José Maria Ricciardi, assumindo um cargo no Conselho Diretivo em caso de vitória nas eleições.

"Temos a honra do senhor Zeferino Boal integrar esta candidatura, num cargo de grande responsabilidade no Conselho Diretivo. É a prova do que pretendemos: unir, agregar", justificou José Maria Ricciardi.

José Maria Ricciardi é assim o oitavo candidato a apresentar-se às eleições do Sporting, depois de Frederico Varandas, Pedro Madeira Rodrigues, Fernando Tavares Pereira, Dias Ferreira, João Benedito, Carlos Vieira e Bruno de Carvalho.

Ricciardi, contudo, não reconhece legitimidade às candidaturas de Bruno de Carvalho e Carlos Vieira, anteriores presidente e vice-presidente, respetivamente, destituídos em AG extraordinária a 23 de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.