Relatórios de Mourinho que foram parar à Internet foram feitos por Villas-Boas

André Villas-Boas era o observador do Special One na temporada 2006/07 e foi o responsável pelos relatórios onde Ronaldinho Gaúcho é apelidado de batoteiro e Puyol descrito como um jogador que lidera mal a defesa.

O jornal inglês Mirror publicou na segunda-feira uma série de relatórios sobre equipas adversárias do Chelsea feitos pelo scouting do clube londrino na altura em que o português treinava o Chelsea, onde eram analisadas as equipas do Barcelona e do FC Porto, na temporada 2006/07. Mas entretanto muitos outros foram parar à Internet. Segundo apurou o DN, estes relatórios foram feitos por André Villas-Boas, que na altura integrava a equipa técnica do Special One, e não por Mourinho.

Nos relatórios que entretanto estão a ser publicados em vários sites na Internet, saltam à vista alguns comentários sobre algumas grandes estrelas desses clubes. "Muito pobre defensivamente. Explorar as fraquezas defensivas. Batoteiro, cai com facilidade", lê-se a propósito de Ronaldinho Gaúcho, que na altura representava o Barcelona. Ou sobre Puyol: "Agressivo mas emotivo. Fica louco com o árbitro quando são marcadas faltas contra ele e provoca os outros. Um defesa agressivo, usa o corpo para jogar em antecipação. Mau posicionamento e lidera mal a defesa." Sobre Messi, a análise de Villas-Boas era mais branda: "Qualidade e velocidade, mas muito pela esquerda. Exatamente os mesmos comportamentos de Ronaldinho. Dentro das linhas diagonais. Empurra a equipa a avançar com a bola. Incrível no um para um."

Já sobre o FC Porto de Jesualdo Ferreira, curiosamente equipa que viria a treinar anos mais tarde, André Villas-Boas escreveu o seguinte: "Normalmente regam o relvado antes do jogo e depois do aquecimento. Não hesitam no contacto. Quaresma cai no um para um. Postiga cai na área. Atenção! Na primeira e segunda fase de construção, a equipa descai claramente na direita."

Nessa temporada 2006/07, o Chelsea defrontou o Barcelona na fase de grupos - ganhou em Stamford Bridge por 1-0 e empatou em Camp Nou a dois golos. Nos oitavos de final, os londrinos defrontaram o FC Porto. Após um empate (1-1) no Dragão, venceram em casa por 2-1. O Chelsea acabou depois por cair nas meias-finais da competição no desempate por grandes penalidades frente ao Liverpool.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?