Rafa recorda reação ao golo do empate no FC Porto-Benfica: "Aquilo não nos servia"

O extremo renovou esta quarta-feira o contrato por mais três épocas e recordou o clássico permitiu às águias ascender à liderança da I Liga

No dia em que o Benfica oficializou a renovação de contrato com Rafa por mais três temporadas, estando agora vinculado até 2024, o extremo recordou à BTV o seu desempenho na temporada e o triunfo no clássico do Dragão, que permitiu às águias ascender à liderança na I Liga e disparar rumo ao título.

Questionado sobre se esta foi a melhor época da carreira, pelos 21 golos em 44 jogos em todas as competições, o extremo benfiquista preferiu destacar o gosto que tem em jogar pelo clube da Luz. "Já me fizeram essa pergunta várias vezes. Não digo que esta seja a melhor ou a pior, não analiso isso dessa maneira. Todas as épocas são diferentes, não me preocupa a época que passou, só penso na próxima. Gosto de estar no Benfica, sempre fui bem recebido nesta casa, estou próximo da minha família, que é algo importante para mim. O projeto do clube, e que sempre me mostrou, foi a razão para querer sempre manter este vínculo", afirmou o jogador, que no domingo ajudou Portugal a vencer a Liga das Nações. "Nas outras épocas não fiz tantos golos, mas sempre estive bastante tranquilo. E agora que marquei também estou tranquilo. Não acho que a época tenha sido melhor por causa desses golos, mas sim por ter contribuído para a equipa", acrescentou.

Sobre o clássico no Dragão, explicou porque quis que a equipa regressasse rapidamente ao seu meio-campo logo após o golo do empate, de João Félix, tendo até precipitado o fim dos festejos do jovem companheiro. "Queremos sempre ganhar. O que me motivou nesse momento e a toda a equipa era o querer ganhar. Aquilo não nos servia. Não penso na ambição em termos individuais, mas em termos coletivos, sim, porque isso já envolve os meus colegas de equipa, que considero família. Por vezes passamos mais tempo dentro do balneário do que fora. As pessoas que não estão lá dentro não sabem, mas quem lá está dentro sabe a amizade que temos", recordou aquele que viria a ser o autor do golo da vitória.

O internacional português de 26 anos falou ainda do seu lado mais pessoas, confessando ser reservado mas brincalhão. "Sem ser a minha família, amigos e a namorada, quase ninguém sabe como eu sou. Não gosto das câmaras e de falar. Sou brincalhão, mas mantenho as brincadeiras dentro de portas. Gosto muito de brincar, não levo quase nada a sério, sou muito desligado e acho importante a brincadeira", rematou.

Ler mais

Exclusivos