Quem é Adam Reach? O enigma lançado por Bruno Lage

O treinador do Benfica terminou a conferência de imprensa nomeando um jogador inglês que orientou quando era adjunto de Carlos Carvalhal no Sheffield Wednesday, sem explicar as razões...

"Como sou um gajo porreiro, vou dar-vos um nome. Adam Reach... é um jogador como o Chiquinho, não tem um bigode como o André Almeida, é mais parecido com o Chris Waddle." Este foi o enigma lançado esta sexta-feira por Bruno Lage, treinador do Benfica, na conferência de antevisão ao jogo com o Gil Vicente, quando terminava a sua explicação sobre o fim dos estágios da equipa nas vésperas dos jogos em casa.

O nome de Adam Reach foi atirado para cima da mesa sem mais explicações, numa espécie de enigma, para já, indecifrável. Mas quem é este jogador? Nasceu há 26 anos em Chester-le-Street, uma localidade do norte de Inglaterra, a 55 quilómetros de Middlesbrough, cidade onde começou a sua formação como futebolista no clube local.

Quando tinha 23 anos, Carlos Carvalhal desafiou-o a transferir-se para o Sheffield Wednesday, o negócio concretizou-se no último dia de mercado de verão de 2016, por 5,6 milhões de euros, que na altura passou a ser a contratação mais cara de sempre do clube, tendo ultrapassado os cinco milhões investidos no italiano Paolo Di Canio em 1997.

Quem ficou radiante com este reforço foi Carvalhal, que tinha na altura Bruno Lage como seu adjunto, no clube que disputava o Championship (segundo escalão do futebol inglês). "Reach é um jogador fantástico que pode chegar ao topo", afirmou na altura à BBC Radio Sheffield. "Tenho de dizer que era o jogador mais apreciado no Middlesbrough desde há duas épocas e desde essa altura que o seguíamos. Tivemos agora a chance de o contratar e estamos muito contentes com isso", acrescentou o técnico que atualmente orienta o Rio Ave.

Dez meses depois de Carvalhal e Lage terem saído para o Swansea, para tentar salvar o clube galês da descida na Premier League, Adam Reach lamentou a saída do treinador revelando que os jogadores "sentiam-se confortáveis com o estilo" de jogo implementado pela equipa técnica portuguesa. "Jogavamos todas as semanas da mesma maneira e também treinavamos todos os dias da mesma forma, por isso quando chega uma nova pessoa leva temo para nos adaptarmos", adiantou sobre a mudança de treinador.

O certo é que três anos depois de ter chegado ao Wednesday, Reach ainda por lá se encontra, apesar de em janeiro deste ano ter tido a oportunidade de sair para o Aston Villa, por cerca de 11 milhões de euros, mas o negócio acabou por não se concretizar. O esquerdino é neste momento um ídolo em Hillsborough, contabilizando 16 golos nos 147 jogos oficiais ao serviço dos The Owls.

Na imprensa inglesa não existe qualquer referência fora do normal em relação à carreira Adam Reach, nem tão pouco uma posição pública sobre os estágios das equipas, que era o tema sobre o qual Bruno Lage tinha acabado de falar. Nesse sentido, resta esperar pelas explicações do treinador do Benfica numa próxima conferência de imprensa.

No entanto, tendo em conta a curiosidade em torno desde jogador, aqui ficam os golos que marcou ao serviço do Sheffield Wednesday:

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.