Pulisic custou 64 milhões ao Chelsea... e é o 41.º jogador emprestado pelo clube

Londrinos têm vários jogadores emprestados, entre jovens esperanças, desconhecidos e investimentos que não resultaram. O mais velho da lista, maioritariamente jovem, é um experiente guarda-redes português

O Chelsea adiantou-se à concorrência e informou na passada quarta-feira ter comprado o passe do norte-americano Christian Pulisic, de 20 anos, por 64 milhões de euros. O jogador terminava contrato com o Borussia Dortmund em 2020 e é no clube alemão que vai continuar até ao final desta temporada. Com este empréstimo de seis meses, Pulisic torna-se o 41.º jogador emprestado pelos londrinos.

Não é desta temporada que o Chelsea, que não é caso único na Europa do futebol, tem por hábito ceder várias dezenas de jogadores para os mais diversos campeonatos. E se o empréstimo é muitas vezes solução para fazer crescer jovens nos quais os clubes depositam esperanças, serve também para retirar do contexto do plantel jogadores que não contam para o treinador.

No entanto, não é só destes dois "tipos" de jogadores que são feitas as listas de jogadores emprestados, neste caso no Chelsea. Como recorda o Daily Mail, existem também vários desconhecidos da maioria dos adeptos.

Os londrinos espalharam também pela Europa jogadores que significaram investimentos avultados mas que, por várias razões, acabaram por não corresponder em Inglaterra. Um dos exemplos é o belga Batshuayi, avançado contratado pelo Chelsea ao Marselha no verão de 2016, por um valor a rondar os 40 milhões de euros. A meio da época passada foi cedido ao Borussia Dortmund e, mal voltou a Londres este verão, seguiu para Espanha, onde representa atualmente o Valência.

Outro investimento significativo foi feito em Tiemoué Bakayoko, que chegou a Londres no início de 2017/2018, depois de boas temporadas no Mónaco, a troco de 40 milhões de euros. Ainda fez mais de 40 jogos mas não convenceu, e seguiu por empréstimo para o AC Milan esta temporada, que ainda teve de desembolsar cinco milhões de euros pela cedência.

Entre o lote de emprestados estão ainda jogadores como Kurt Zouma, defesa francês de 24 anos que chegou a ter a confiança de Mourinho mas já vai no segundo empréstimo consecutivo, Kenedy, brasileiro contratado em 2015 mas que nunca se impôs, ou Baba Rahman, ganês contratado por José Mourinho em 2015 mas que está emprestado desde 2016.

Entre os 41 atletas, que na maioria estão abaixo dos 25 anos, destaca-se um experiente guarda-redes de 36 anos: o português Eduardo. O internacional português foi contratado ao Dínamo Zagreb no início de 2016/2017 e foi emprestado em julho deste ano ao Vitesse, clube que normalmente recebe vários atletas do Chelsea.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.