Pulisic custou 64 milhões ao Chelsea... e é o 41.º jogador emprestado pelo clube

Londrinos têm vários jogadores emprestados, entre jovens esperanças, desconhecidos e investimentos que não resultaram. O mais velho da lista, maioritariamente jovem, é um experiente guarda-redes português

O Chelsea adiantou-se à concorrência e informou na passada quarta-feira ter comprado o passe do norte-americano Christian Pulisic, de 20 anos, por 64 milhões de euros. O jogador terminava contrato com o Borussia Dortmund em 2020 e é no clube alemão que vai continuar até ao final desta temporada. Com este empréstimo de seis meses, Pulisic torna-se o 41.º jogador emprestado pelos londrinos.

Não é desta temporada que o Chelsea, que não é caso único na Europa do futebol, tem por hábito ceder várias dezenas de jogadores para os mais diversos campeonatos. E se o empréstimo é muitas vezes solução para fazer crescer jovens nos quais os clubes depositam esperanças, serve também para retirar do contexto do plantel jogadores que não contam para o treinador.

No entanto, não é só destes dois "tipos" de jogadores que são feitas as listas de jogadores emprestados, neste caso no Chelsea. Como recorda o Daily Mail, existem também vários desconhecidos da maioria dos adeptos.

Os londrinos espalharam também pela Europa jogadores que significaram investimentos avultados mas que, por várias razões, acabaram por não corresponder em Inglaterra. Um dos exemplos é o belga Batshuayi, avançado contratado pelo Chelsea ao Marselha no verão de 2016, por um valor a rondar os 40 milhões de euros. A meio da época passada foi cedido ao Borussia Dortmund e, mal voltou a Londres este verão, seguiu para Espanha, onde representa atualmente o Valência.

Outro investimento significativo foi feito em Tiemoué Bakayoko, que chegou a Londres no início de 2017/2018, depois de boas temporadas no Mónaco, a troco de 40 milhões de euros. Ainda fez mais de 40 jogos mas não convenceu, e seguiu por empréstimo para o AC Milan esta temporada, que ainda teve de desembolsar cinco milhões de euros pela cedência.

Entre o lote de emprestados estão ainda jogadores como Kurt Zouma, defesa francês de 24 anos que chegou a ter a confiança de Mourinho mas já vai no segundo empréstimo consecutivo, Kenedy, brasileiro contratado em 2015 mas que nunca se impôs, ou Baba Rahman, ganês contratado por José Mourinho em 2015 mas que está emprestado desde 2016.

Entre os 41 atletas, que na maioria estão abaixo dos 25 anos, destaca-se um experiente guarda-redes de 36 anos: o português Eduardo. O internacional português foi contratado ao Dínamo Zagreb no início de 2016/2017 e foi emprestado em julho deste ano ao Vitesse, clube que normalmente recebe vários atletas do Chelsea.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.