Pichardo pode representar Portugal a partir de agosto de 2019

Federação Portuguesa de Atletismo já recebeu o OK da Associação Internacional das Federações de Atletismo. Atleta cubano vai estrear-se por Portugal nos Mundiais de Doha, no Qatar. Renovação para breve com o Benfica

Pedro Pablo Pichardo, atleta do triplo salto que adquiriu a nacionalidade portuguesa a 31 de dezembro de 2017, está elegível para representar Portugal a partir do dia 1 de agosto de 2019, apurou o DN.

O atleta cubano do Benfica já poderá assim representar o nosso país no Campeonato do Mundo de Atletismo de 2019, que se realiza de 28 de setembro a 6 de outubro, em Doha no Qatar, para o qual já está qualificado em virtude de ter vencido o Triplo Salto da Liga Diamante em 2018. Presumivelmente fará dupla com Nelson Évora, com quem se travou de razões bem recentemente

A comunicação da elegibilidade de Pichardo foi dada à Federação Portuguesa de Atletismo pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF). Pedro Pablo Pichardo é o atual líder do ranking mundial do Triplo Salto, com 17.95 metros, marca que figura também como recorde de Portugal da disciplina.

Ao que o DN conseguiu saber está em cima da mesa a possibilidade de Pedro Pablo Pichardo renovar contrato em Benfica muito em breve.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.