Pichardo pode representar Portugal a partir de agosto de 2019

Federação Portuguesa de Atletismo já recebeu o OK da Associação Internacional das Federações de Atletismo. Atleta cubano vai estrear-se por Portugal nos Mundiais de Doha, no Qatar. Renovação para breve com o Benfica

Pedro Pablo Pichardo, atleta do triplo salto que adquiriu a nacionalidade portuguesa a 31 de dezembro de 2017, está elegível para representar Portugal a partir do dia 1 de agosto de 2019, apurou o DN.

O atleta cubano do Benfica já poderá assim representar o nosso país no Campeonato do Mundo de Atletismo de 2019, que se realiza de 28 de setembro a 6 de outubro, em Doha no Qatar, para o qual já está qualificado em virtude de ter vencido o Triplo Salto da Liga Diamante em 2018. Presumivelmente fará dupla com Nelson Évora, com quem se travou de razões bem recentemente

A comunicação da elegibilidade de Pichardo foi dada à Federação Portuguesa de Atletismo pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF). Pedro Pablo Pichardo é o atual líder do ranking mundial do Triplo Salto, com 17.95 metros, marca que figura também como recorde de Portugal da disciplina.

Ao que o DN conseguiu saber está em cima da mesa a possibilidade de Pedro Pablo Pichardo renovar contrato em Benfica muito em breve.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.