Patrícia Mamona: "Por favor não me chamem Serena Williams"

Saltadora do Sporting voltou a abordar a recusa da discoteca Lux em deixá-la entrar. E pede para não ser comparada à tenista americana que discutiu com o árbitro português Carlos Ramos na final do US Open

Patrícia Mamona voltou a falar da recusa da discoteca Lux em deixá-la entrar. Servindo-se novamente da rede social Instagram, a atleta quer colocar um ponto final no assunto apesar de ainda não ter a certeza se da decisão do segurança foi uma questão de racismo ou não.

Eis o post na íntegra:

Ter um "Feeling" (nem sei que tipo de feeling é esse) para mim não foi um bom argumento. Contudo fiquem descansados que situação foi facilmente resolvida da maneira que achamos correta, fomos embora e prontos. Como muitos dizem aqui, deal with it Patrícia , percebi a mensagem! Racismo ou não, não sei, espero que e tenha sido ilusão minha, discriminação provavelmente, mas já passou! Aos meus amigos que diziam que nunca mais iam lá voltar, opa deixem-lá... Eles lá tem as suas ter as suas razões... Por favor não me chamem de Serena Williams, estou apenas a ser eu, e desculpem se ofendi alguém por ser eu. Tenho uma época desportiva muito difícil pela frente , e é isso que tenho que me focar. Aprender a lidar com as situações que aparecem por mais difícil que sejam , o caminho é em frente, tudo isto é uma lição de vida. Vamos a dar a volta por cima e deixar bem claro aos meus amigos estrangeiros que nós Portugueses sabemos SIM tratar bem das pessoas, e não é só porque alguém que estava de mau humor não os deixou divertir uma noite numa discoteca que temos que voltar para casa tristes... há outros sítios para ir e para a próxima isto já não acontece. Foi apenas um segurança que não deixou entrar... amanhã o outro deixa!

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.