Patrícia Mamona: "Por favor não me chamem Serena Williams"

Saltadora do Sporting voltou a abordar a recusa da discoteca Lux em deixá-la entrar. E pede para não ser comparada à tenista americana que discutiu com o árbitro português Carlos Ramos na final do US Open

Patrícia Mamona voltou a falar da recusa da discoteca Lux em deixá-la entrar. Servindo-se novamente da rede social Instagram, a atleta quer colocar um ponto final no assunto apesar de ainda não ter a certeza se da decisão do segurança foi uma questão de racismo ou não.

Eis o post na íntegra:

Ter um "Feeling" (nem sei que tipo de feeling é esse) para mim não foi um bom argumento. Contudo fiquem descansados que situação foi facilmente resolvida da maneira que achamos correta, fomos embora e prontos. Como muitos dizem aqui, deal with it Patrícia , percebi a mensagem! Racismo ou não, não sei, espero que e tenha sido ilusão minha, discriminação provavelmente, mas já passou! Aos meus amigos que diziam que nunca mais iam lá voltar, opa deixem-lá... Eles lá tem as suas ter as suas razões... Por favor não me chamem de Serena Williams, estou apenas a ser eu, e desculpem se ofendi alguém por ser eu. Tenho uma época desportiva muito difícil pela frente , e é isso que tenho que me focar. Aprender a lidar com as situações que aparecem por mais difícil que sejam , o caminho é em frente, tudo isto é uma lição de vida. Vamos a dar a volta por cima e deixar bem claro aos meus amigos estrangeiros que nós Portugueses sabemos SIM tratar bem das pessoas, e não é só porque alguém que estava de mau humor não os deixou divertir uma noite numa discoteca que temos que voltar para casa tristes... há outros sítios para ir e para a próxima isto já não acontece. Foi apenas um segurança que não deixou entrar... amanhã o outro deixa!

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?