Varandas fala ao plantel: "paixão" e "dedicação" serão palavras chave

São apenas sete os jogadores que não privaram com o novo presidente leonino, um homem que não fugia à rutura mas que preferiu sempre o consenso e por isso sempre foi bem-visto e aceite na estrutura de futebol profissional.

Quando Frederico Varandas se dirigir ao plantel na próxima quinta-feira, em princípio na privacidade do balneário atacado a 15 de maio último, os jogadores da equipa de futebol principal do Sporting já terão uma noção do que vão ouvir da boca do novo presidente do Sporting... ou não tivessem privado com o médico centenas de horas em treinos, estágios, hotéis, aeroportos e aviões.

Ao que o DN conseguiu saber, tudo girará em torno de duas palavras-chave; paixão e dedicação. Paixão pela camisola que vestem, pelo símbolo que têm ao peito. E o seu discurso será feito com a emotividade que transparecia sempre que falava do emblema verde e branco na qualidade de diretor clínico, porque Frederico Varandas não era apenas o profissional de medicina que trabalhava numa empresa chamada Sporting SAD, mas também o adepto que tinha a fortuna de servir o seu clube do coração e ainda ser remunerado por isso.

Frederico Varandas vai exaltar não só a paixão que tem pelo clube, pedindo aos jogadores que sintam o Sporting como ele próprio sente, mas vai também falar em dedicação, muita dedicação, e compromisso em prol de um objetivo comum.

Ao que o DN apurou, Varandas sempre foi visto em Alcochete como uma pessoa que não deixava de dar a sua opinião mas que privilegiava o consenso, optando apenas pela rutura quando percebia que esse era o único caminho.

Sempre foi muito bem-visto e só teve alguns momentos de tensão quando percebeu que alguns futebolistas mostravam pouco espírito de sacrifício.

Esse dado, o de ser muito bem-visto, foi particularmente relevante a 24 de maio, quando decidiu comunicar que se tinha demitido do cargo de diretor clínico mostrando, em simultâneo, disponibilidade para se candidatar à presidência então ocupada por Bruno de Carvalho. A publicação do agora presidente do Sporting mereceu "gostos" de antigos jogadores como Schelotto, João Pereira, Tobias Figueiredo e João Mário. Mas também Piccini, Bruno Fernandes e Rafael Leão, na altura todos eles vinculados ao clube leonino, revelaram publicamente apreço pela publicação de Frederico Varandas. O lateral italiano sentiu-se mesmo compelido a esclarecer a sua reação. "Como se está a montar um caso pelo meu comentário, quero esclarecer que o meu coração é dirigido à pessoa Frederico Varandas por ter estado ao nosso lado e ter cuidado de nós durante um ano. Obrigado Dr."

No passado sábado, Bas Dost foi votar, tal como Paulinho, o mais famoso técnico de equipamentos do futebol português. Não se sabe em quem o jogador e Paulinho votaram, mas sabe-se que nos estágios Varandas e o técnico de equipamentos eram os concorrentes de concursos de cultura geral sobre o futebol leonino.

Na quinta-feira, quando estiver cara a cara com os jogadores do plantel às ordens de José Peseiro, poucos serão os rostos que o atual presidente não vai reconhecer ou que não terá ajudado a recuperar de lesão. A saber: Viviano, Renan, Bruno Gaspar, Marcelo, Gudelj, Diaby e Raphinha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.