Onde já vimos este filme? Patinadora americana acusada de ferir rival sul-coreana de propósito

A história faz lembrar o célebre caso de Tonya Harding e Nancy Kerrigan durante o Campeonato do Mundo de 1994, que deu origem ao filme biográfico, intitulado Eu, Tonya,

Uma patinadora acusada de lesionar a outra gravemente? A história é antiga e até já deu um filme, mas parece ter sido repetida mais de 20 anos depois do incidente entre Tonya Harding e Nancy Kerrigan. Desta vez, a patinadora americana Mariah Bell, 22 anos, está a ser acusada de ferir propositadamente a rival Lim Eun-soo, de 16 anos, da Coreia do Sul, durante os treinos do mundial de patinagem a decorrer no Japão.

A história faz lembrar o célebre caso de Tonya Harding e Nancy Kerrigan durante o Campeonato do Mundo de 1994. Nesse ano as duas patinadores americanas protagonizaram um dos casos mais mediáticos da história da patinagem, quando uma delas (Tonya) foi acusada de mandar lesionar gravemente a outra (Nancy) para ganhar a prova mundial e uma vaga nos Jogos Olímpicos. Harding negou o ataque, mas foi implicada depois de ficar provado que o marido, Jeff Gillooly, e o guarda-costas, Shawn Eckhardt foram os autores intelectuais do ataque, perpetrado por Shane Stant.

A trama, que envolvia conspiração, maus-tratos, inveja e vingança e mais de duas décadas depois, Harding virou personagem de um filme biográfico, intitulado Eu, Tonya, sobre a vida da atleta que é considerada a maior vilã do desporto americano.

Agência coreana denuncia bullying da americana

A União Internacional de Patinagem (ISU, sigla em inglês), órgão regulador da modalidade artística a nível mundial, está a investigar alegações que acusam a patinadora americana Mariah Bell, 22 anos, de ferir propositadamente a rival Lim Eun-soo, 16 anos, da Coreia do Sul. Segundo a AFP, o incidente terá ocorrido durante o aquecimento para uma prova do campeonato mundial do Japão, esta quarta-feira, e a queixa já foi formalmente apresentada pelas autoridades coreanas.

A denúncia relata que Bell terá empurrado a colega, fazendo com que a mesma se cortasse na perna. Mas a equipa sul-coreana admite que "é difícil" prová-lo "apenas assistindo ao vídeo do incidente" e não adianta qual a ação que a ISU poderá interpor caso se venha a confirmar as intenções da atleta americana.

Também a entidade de patinagem da Coreia, Korea Skating Union, consultada pelos pais de Lim para reagir ao confronto, considerou ser difícil chegar a alguma conclusão. "Nesta fase, não podemos concluir que Bell tenha causado a lesão de propósito", disse um porta-voz.

Já a agência de Lim, All's Sports, garantiu que há motivos para acreditar que o ato de Bell foi deliberado, alegando que a atleta sul-coreana estava a patinar perto da parede do ringue, distante dos seus rivais e que a americana terá colidido contra ela por trás. Ambos estavam sob o comando do técnico Rafael Arutyunyan, que alega que Lim tem sofrido de bullying por parte de Bell há vários meses.

Nas redes sociais, os comentários não tardaram. "É preciso expulsar Mariah Bell da competição. É inaceitável que esta situação de bullying escale de forma a pôr a integridade de uma patinadora em perigo", escrevem. Outros exigem mesmo um pedido de desculpas por parte da americana.

A atleta Mariah Bell deverá reunir-se ainda esta quinta-feira com a ISU para discutir as alegações.

Ler mais

Exclusivos