"Obrigaram Sala a entrar no avião", acusa um amigo do argentino

Maximiliano Duarte aponta o dedo ao empresário do jogador desaparecido, por o ter feito voar em noite de tempestade

Em declarações a uma televisão argentina, o amigo de Emiliano Sala garante que o aconselhou a não viajar naquela noite de 21 de janeiro.

"Obrigaram o Emi a entrar naquele avião", garantiu Maximiliano Duarte. "Disse-lhe para não ir, também fui jogador. Aconselhei-o a descansar um pouco, a acordar cedo no dia seguinte, tomar o pequeno-almoço e chegar a Cardiff bem descansado. Viajar de noite naquelas condições foi uma coisa totalmente obrigada", disse.

O amigo do jogador desaparecido no Canal da Mancha - onde o avião que o transportava de França para Cardiff foi encontrado no mar, na última segunda-feira, com um corpo dentro (ainda não se sabe se é o de Sala ou o do piloto do avião) - aponta ao empresário Willie Mckay. ""Há uma grande verdade em tudo isto, há um culpado. Porque o Emiliano nunca quis entrar naquele avião. As obrigações que tinha como jogador profissional fizeram-no aceitar as coisas", referiu Maximiliano.

O avançado argentino, que passou pelo FC Crato, dos distritais de Portalegre, no início da carreira, tinha sido transferido do Nantes para o Cardiff por 17 milhões de euros. Sala recocrreu a um avioneta privada providenciada por Willie McKay para fazer a travessia do Canal da Mancha a 21 de janeiro, numa noite em que se registava bastante mau tempo.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.