Neymar. Fisco espanhol reclama dívida de 35 milhões de euros

Barça foi notificado da dívida, segundo o jornal El Mundo.

Neymar deve 35 milhões de euros ao Fisco. Segundo o jornal El Mundo, o Barcelona já foi formalmente notificado pela Hacienda (autoridade fiscal) espanhola sobre a dívida do jogador, no valor de 34,68 milhões de euros. Em causa a retenção fiscal da renovação do jogador com o Barça, o último contrato assinado em Espanha, e os valores relacionados com sua transferência para o PSG, em agosto de 2017.

Numa altura em que se fala de um possível regresso a Barcelona, a autoridade fiscal quis advertir os responsáveis pelo clube de que qualquer pagamento feito ao internacional brasileiro devia ser direcionado para os cofres do erário público, até perfazer o total reclamado, segundo o jornal espanhol.

Ou seja, se Neymar assinar por qualquer emblema espanhol, os seus primeiros salários serão automaticamente cativados pelo Fisco. Isto se ele não aceitar a proposta e resolução da dívida já proposta pelas autoridades.

Neymar é assim mais um jogador a ser apanhado pelo fisco espanhol, depois de Messi, Ronaldo e mais meia dúzia de grandes jogadores que alinharam na liga espanhola.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.