Matheus Pereira: "Não dava para ficar encostado mais um ano"

Extremo brasileiro emprestado pelo Sporting ao Nuremberga abordou cedência ao clube alemão em entrevista ao portal Goal

Matheus Pereira abriu o livro numa longa entrevista ao portal Goal, onde falou abertamente da saída do Sporting e consequentemente empréstimo aos alemães do Nuremberga.

"O que falta [para me afirmar] é um treinador que me dê confiança, que me diga o seguinte: 'Entra lá e faz o que sabes'. Falta liberdade. No Chaves, por exemplo, tive essa liberdade. O Luís Castro, que é muito bom treinador, deu-me total liberdade e disse-me exatamente isso: 'Joga e faz o que sabes. Resolve'. Falta ser visto mais como aposta, falta receber mais confiança e liberdade. Mas estou tranquilo, no momento certo ainda vou estourar como todos esperam", disparou o extremo brasileiro de 22 anos.

O atacante, que na época passada esteve cedido ao Desp. Chaves, contou que percebeu rapidamente que não ia ser opção para José Peseiro. "Senti que não teria espaço no Sporting, então pedi para sair. Ser visto como promessa e depois não ser aproveitado acaba por impulsionar a busca por um novo clube, a busca por jogar. Não dava para ficar encostado no Sporting mais um ano."

Ainda assim, o jogador acredita que os responsáveis leoninos confiam nas capacidades deles. "Acho que o Sporting tem muita confiança em mim. Eles, por exemplo, não queriam a minha saída agora, eu é que insisti muito para sair."

Sobre a desavença com José Peseiro, Matheus Pereira assume que também teve culpas no cartório, mas não iliba o treinador: "Acredito que as duas partes poderiam ter feito algo diferente. Talvez eu não tenha entrado com o maior empenho em determinada partida... enfim, a culpa não é de apenas um. Há muita coisa que precisa de ser melhorada."

Ler mais

Exclusivos