Mais um exercício perfeito. Katelyn Ohashi, "o pássaro que não podia voar", voltou à nota dez

Katelyn Ohashi, que competiu com Simone Biles, alcançou há menos de um mês uma nota 10 em competição nos EUA. E repetiu o feito.

Katelyn Ohashi, a ginasta norte-americana que alcançou uma nota 10 com um exercício de solo há menos de um mês numa competição nos EUA voltou com um exercício perfeito, agora numa prova que teve lugar em Seattle, a sua terra natal.

Com um sorriso nos lábios e uma energia contagiante, a jovem ginasta começou a fazer fez piruetas, espargatas e saltos mortais aos três anos. Aos nove anos, mudou-se para o Missuri e juntou-se ao ginásio ​Great American Gymnastics Experience. Três anos depois rumou ao Texas, inscrevendo-se na World Olympic Gymnastics Academy, escola de formação de onde saíram as campeãs olímpicas Carly Patterson (Atenas, 2004) e Nastia Liukin (Pequim, 2008). A 16 de janeiro demorou 90 segundos a conquistar o palco mundial. Foi esse o tempo que demorou o exercício que cumpriu sem um único defeito, segundo os juízes. O momento correu mundo e Katelyn ganhou a notoriedade que as várias lesões nas costas e nos ombros ameaçavam.

Aliás, houve uma altura em que se sentiu "feliz por estar lesionada". Era um sinal da pressão a que estava sujeita e de como os comentários a afetavam. "Disseram-me que era uma vergonha como tinha ficado tão grande. Fui comparada com um pássaro que não conseguia voar. Isto eram coisas que ouvia ainda antes de me lesionar, quando era magra, e pensava o que diriam depois de ter ganho algum peso [após as lesões]. Não me conseguia aceitar. A ginástica era o meu mundo, a minha vida", confessou numa entrevista a atleta, que competiu ao lado de grandes nomes como Simone Biles, que arrecadou cinco medalhas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Aos 21 anos, Ohashi compete na categoria individual geral, trave, barras assimétricas e solo e é uma das atletas mais promissoras dos EUA, mesmo sem qualquer presença nos Jogos Olímpicos. Em 2012 (Londres) falhou o limite mínimo de idade para a equipa de ginástica dos EUA e em 2015 viu uma lesão roubar-lhe a oportunidade de competir nos Jogos do Rio 2016. Teve de ser operada e decidiu abandonar a competição de elite e juntar-se à equipa da Universidade da Califórnia, as UCLA Bruins. Foi na competição universitária que recuperou a alegria que sentia enquanto criança e desde então mostrou-se ao mundo com duas notas dez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.