Luís Filipe vs Jorge Nuno. Como está o duelo entre presidentes?

Clássico da Taça da Liga desta terça-feira também se joga na Tribuna... entre presidentes. Desde que ambos coincidem na presidência Pinto da Costa regista 17 vitórias contra 11 de Vieira em 40 clássicos. A nível de troféus, o líder portista já conquistou 24 contra 20 de Vieira.

A luta pelo poder do futebol português nunca esteve tão ao rubro. Benfica e FC Porto têm jogado mais fora de campo do que dentro dele. Só nas últimas duas épocas, os dois clubes trocaram dezenas de galhardetes e várias acusações, com o caso dos e-mails e o e-toupeira a dominarem a atualidade recente. Um jogo jogado entre presidentes, que nesta terça-feira, na Taça da Liga, procuram dar mais uma alfinetada ao rival. O clássico da Taça da Liga será mais um capítulo numa série que tem sido mais favorável ao presidente portista em jogos e troféus desde que ambos coincidem na presidência dos dois clubes, a partir de 31 de outubro de 2003.

Nestes 15 anos de rivalidade entre velhos amigos, em número de troféus a balança pesa a favor do líder portista, com destaque para as três conquistas internacionais (Liga dos Campeões e Taça Intercontinental em 2004, e Liga Europa em 2011), e expõe a fragilidade europeia do projeto de Vieira, que perde também nos duelos diretos em campo: 17 vitórias do FC Porto contra 11 do Benfica e ainda 12 empates registados, em 40 clássicos entre ambas as equipas desde que ambos coincidem na presidência dos dois clubes. Esta terça-feira joga-se o 41.º duelo da era Vieira-Pinto da Costa, desta vez para a Taça da Liga. Um jogo que vale um lugar na final de sábado.

No total de troféus está 24-20 a favor de Jorge Nuno Pinto da Costa. Em termos de conquistas europeias, o FC Porto está em clara vantagem (3-0) e a nível de campeonatos nacionais também vence (9-6). Em Taças de Portugal, os dragões têm uma ligeira vantagem (4-3) e ganham também no número de Supertaças (8-4). O Benfica vence, com clara vantagem, no troféu que está agora em disputa - os encarnados já conquistaram sete Taças da Liga; o FC Porto nenhuma.

Os resultados mais desnivelados entre os dois clubes, desde que os dois presidentes coincidem, aconteceram em 2010. Em março, precisamente na final da Taça da Liga, o Benfica venceu o FC Porto por 3-0, com golos de Rúben Amorim, Carlos Martins e Óscar Cardozo. Meses mais tarde, em novembro, os dragões vingaram-se e golearam as águias no campeonato por 5-0, com golos de Varela, Falcao (2) e Hulk.

Luís Filipe e Jorge Nuno já foram amigos, quando Vieira liderava o Alverca e tinha Pinto da Costa como aliado e dirigente modelo, com o qual chegou até a "festejar derrotas do Benfica" enquanto sócio 28.788 dos dragões, palavra de Pinto da Costa, que o contou na sua biografia. Depois, Vieira entrou no Benfica como braço direito de Manuel Vilarinho, em 2001, e subiu à presidência a 31 de outubro 2003. Chamou José Veiga (que estava desavindo com o líder portista) para liderar o futebol e a amizade foi-se esfumando.

Na última década o líder das águias galgou terreno e equilibrou as contas no duelo particular com Pinto da Costa, que até então estava bem desequilibrado a favor do histórico líder portista. Desde 2013, os encarnados ganharam 12 troféus no futebol nacional (entre eles quatro títulos consecutivos de campeão).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.