Luís Filipe Vieira atira-se ao VAR: "Hoje, na dúvida é fácil castigar o Benfica"

Presidente do Benfica fez discurso inflamado em Braga, após eliminação dos encarnados nas meias finais da Taça da Liga, frente ao FC Porto (3-1) esta terça-feira. E fez uma denúncia: "Há árbitros condicionados, que foram ameaçados. Eles sabem! Não querem descobrir a verdade não sei porquê."

Luís Filipe Vieira atirou-se à arbitragem de Carlos Xistra no clássico, após a derrota do Benfica, por 3-1, e visou também o videoárbitro, que estava a cargo de Fábio Veríssimo. Tudo por causa de um golo anulado a Pizzi à beira do intervalo, que daria o empate aos encarnados.

"Estamos preocupados e de que maneira. Debaixo desta nuvem de fumo dos e-mails, dos malas ciao e de tudo o que anda para aí, já toda a gente nos condenou na praça pública mas até agora nenhum tribunal condenou nem vai fazê-lo de certeza. Quando vemos um homem que está com câmaras de televisão à frente e um árbitro que não consegue ver um fora-de-jogo e faltas a meio-campo, então esse homem não pode apitar mais", atirou o presidente do Benfica, no final do jogo, em Braga, numa declaração aos jornalistas.

E questionou a expulsão de Rui Costa do banco: "Quando, com uma televisão à frente, tem a lata de dizer ao árbitro para anular o primeiro golo do Benfica... Menos mal que depois o árbitro tem a coragem de o validar... Isto é algo que nos deixa cada vez mais preocupados. Um homem destes, com não sei quantas câmaras, não vê que não é fora de jogo. Hoje, na dúvida é fácil castigar o Benfica. Ainda hoje perdemos o Rui Costa, que foi expulso. Já nos tiraram o Tiago Pinto, o Rui Costa... E depois assistimos o que é um banco e o outro. Da nossa parte qualquer pessoa que é expulsa é castigada severamente e assim vamos passando e distraindo uns com os outros."

Para lá de ter visado diretamente a atuação de Fábio Veríssimo no papel de VAR, Luís Filipe Vieira apontou baterias para José Fontelas Gomes, o presidente do Conselho de Arbitragem: "Já fui ao Conselho da Arbitragem, onde tive a ousadia de dizer ao presidente que muita da culpa é deles. Porque basta ver o que se passou com a história dos emails, basta ver que houve árbitros que foram praticamente escorraçados da arbitragem. Nem sabemos porquê. Além disso, ele sabe - e eu também -, que há árbitros condicionados, que foram ameaçados. Eles sabem! Não querem descobrir a verdade não sei porquê."

Vieira deixou ainda uma garantia aos adeptos. "Ninguém nos vai vergar e hoje isso ficou aqui bem demonstrado neste campo. A tal equipa que era para abater levantou-se, foi para dentro de campo, deu show de bola nos primeiros 30 minutos e não virou o resultado manifestamente por má sorte. Quero dizer isto aos nossos adeptos: acreditem, o nosso grande objetivo é a Europa e o campeonato, e não é preciso reforços como andam aí a falar, porque o valor está cá dentro desta casa", garantiu o líder das águias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.