Leonardo Jardim já não é treinador do Mónaco

O clube do principado já oficializou a saída do treinador português

O Mónaco anunciou esta quinta-feira a rescisão do contrato com Leonardo Jardim, que era válido até 2020, pelo qual recebia 3,5 milhões de euros anuais. Numa nota colocada no seu site oficial, os monegascos agradecem o trabalho realizado e desejam as maiores felicidades para o seu futuro.

"Estou grato e orgulhoso por ter treinado o Mónaco durante mais de quatro anos. Sempre dei o melhor de mim e trabalhei com paixão. Tivemos grandes vitórias juntos que sempre guardarei na minha memória", afirmou o treinador português no site do clube.

Já Vadim Vasilyev, vice-presidente e diretor-geral do clube, não poupou elogios a Leonardo Jardim na hora da despedida. "Quero expressar o meu mais profundo respeito por todo o trabalho realizado por Leonardo Jardim, que colocou o Mónaco como referência na Europa, deixando um trabalho muito positivo. A sua passagem pelo clube permanecerá como uma das páginas mais bonitas da nossa história. Leonardo fará sempre parte da família do AS Mónaco", afirmou.

Leonardo Jardim chegou ao clube do Principado em 2014, tendo conquistado uma liga francesa, tendo ainda chegado a umas meias-finais da Liga dos Campeões.

No entanto, as coisas não estavam a correr bem esta temporada, uma vez que em 12 jogos oficiais apenas contabilizou uma vitória e três empates.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.