Kazuyoshi Miura renova com o Yokohama FC... aos 51 anos

Veterano jogador japonês não mostrar sinais de querer deixar o futebol e detém o recorde do futebolista mais velho a alinhar numa partida. Foi um dos responsáveis pela internacionalização dos futebolistas do país asiático

A data de nascimento pode sugerir o oposto, mas o japonês Kazuyoshi Miura vai continuar a sua jornada como profissional de futebol aos 51 anos, depois do renovar com o Yohohama FC por mais uma temporada.

Com aniversário marcado para o final do próximo mês de fevereiro, o antigo internacional japonês jogará futebol, pelo menos, até aos 52 anos, se cumprir o vínculo agora assinado com o emblema que vai participar na II Liga do Japão. Na época passada, alinhou em nove partidas, sempre a partir do banco.

Miura, que vai assim para o 34.º ano enquanto futebolista profissional, ultrapassou em março de 2017 o recorde do britânico Stanley Matthews, que jogou num Stoke City-Fulham, em 1967, com 50 anos e cinco dias. Uma semana depois, tornou-se o mais velho a apontar um golo.

Miura abriu portas à internacionalização dos futebolistas japoneses, quando, aos 16 anos, resolveu seguir os passos do famoso personagem de animação Oliver Tsubasa e emigrar para o Brasil atrás do sonho de se tornar futebolista profissional.

Foi já em terras brasileiras, com a mítica camisola do Santos de Pelé, que ainda nos anos 1980 começou uma carreira que passou pela Europa (Genova e Dinamo Zagreb), esteve ligada ao nascimento da atual J-League (1993) e ao primeiro apuramento do Japão para um Mundial de futebol (1998.

Conseguiu ainda ser o melhor marcador e jogador da edição inaugural da J-League, em 1993, apesar da presença de craques estrangeiros como Gary Lineker e Zico e foi o primeiro japonês a ganhar o prémio de melhor jogador asiático, no mesmo ano.

Kazuyoshi Miura tem 56 golos em 91 jogos pela seleção do Japão e anunciou esta sexta-feira, às 11:11 do dia 11 de janeiro, que vai continuar nos relvados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.