Kazuyoshi Miura renova com o Yokohama FC... aos 51 anos

Veterano jogador japonês não mostrar sinais de querer deixar o futebol e detém o recorde do futebolista mais velho a alinhar numa partida. Foi um dos responsáveis pela internacionalização dos futebolistas do país asiático

A data de nascimento pode sugerir o oposto, mas o japonês Kazuyoshi Miura vai continuar a sua jornada como profissional de futebol aos 51 anos, depois do renovar com o Yohohama FC por mais uma temporada.

Com aniversário marcado para o final do próximo mês de fevereiro, o antigo internacional japonês jogará futebol, pelo menos, até aos 52 anos, se cumprir o vínculo agora assinado com o emblema que vai participar na II Liga do Japão. Na época passada, alinhou em nove partidas, sempre a partir do banco.

Miura, que vai assim para o 34.º ano enquanto futebolista profissional, ultrapassou em março de 2017 o recorde do britânico Stanley Matthews, que jogou num Stoke City-Fulham, em 1967, com 50 anos e cinco dias. Uma semana depois, tornou-se o mais velho a apontar um golo.

Miura abriu portas à internacionalização dos futebolistas japoneses, quando, aos 16 anos, resolveu seguir os passos do famoso personagem de animação Oliver Tsubasa e emigrar para o Brasil atrás do sonho de se tornar futebolista profissional.

Foi já em terras brasileiras, com a mítica camisola do Santos de Pelé, que ainda nos anos 1980 começou uma carreira que passou pela Europa (Genova e Dinamo Zagreb), esteve ligada ao nascimento da atual J-League (1993) e ao primeiro apuramento do Japão para um Mundial de futebol (1998.

Conseguiu ainda ser o melhor marcador e jogador da edição inaugural da J-League, em 1993, apesar da presença de craques estrangeiros como Gary Lineker e Zico e foi o primeiro japonês a ganhar o prémio de melhor jogador asiático, no mesmo ano.

Kazuyoshi Miura tem 56 golos em 91 jogos pela seleção do Japão e anunciou esta sexta-feira, às 11:11 do dia 11 de janeiro, que vai continuar nos relvados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.