Juventus prepara oferta de 100 milhões por João Félix

Jovem avançado do Benfica faz capa do jornal italiano Tuttosport, que garante que o clube de Turim o quer juntar a Cristiano Ronaldo

A "febre" João Félix está espalhada pela Europa e sucedem-se as notícias sobre o interesse dos maiores clubes do Velho Continente no novo "fenómeno" benfiquista.

O hat-trick marcado ao Eintracht de Frankfurt, na última quinta-feira, na primeira mão dos quartos de final da Liga Europa, serviu para reforçar o entusiasmo em redor do jovem internacional português e em Itália garantem que a Juventus quer antecipar-se à concorrência.

Segundo o jornal italiano Tuttosport, o clube de Turim prepara uma oferta de 100 milhões de euros pelo jogador do Benfica que, recorde-se, tem uma cláusula de rescisão de 120 milhões de euros que o presidente encarnado Luís Filipe Vieira já disse querer aumentar em breve.

Recorde-se que, de acordo com o jornal O Jogo, a Juventus já tinha apresentado na semana passada uma oferta de 75 milhões de euros por Félix, que terá sido recusada pelo Benfica.

A vontade da Juventus em juntar Félix ao seu ídolo Ronaldo é real e a Vecchia Sigonra conta com a ação de Jorge Mendes, empresário de ambos, para se antecipar a outros clubes, escreve-se em Itália. A equipa de Turim está disposta até a abrir mão do avançado argentino Dybala para financiar a contratação do benfiquista, que, aos 19 anos, parece ter a Europa do futebol aos seus pés.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.