Júlio Baptista, que passou por Real Madrid e Arsenal, sai do Cluj após 43 minutos jogados

Internacional brasileiro regressou à Europa no início desta época, mas uma lesão no joelho impediu-o de dar o seu contributo. Dividiu o tempo que jogou por três encontros

Júlio Baptista foi em tempos um dos jogadores brasileiros que mais expectativas gerou no futebol mundial. Completado o percurso no São Paulo, chegou ao Sevilha em 2003, e em duas épocas chegou ao Real Madrid, que pagou cerca de 20 milhões de euros pelo seu passe, Quando chegou à Roma, em 2008, começaram os problemas com as lesões, que determinaram agora o final de contrato com o Cluj, da Roménia, onde esta época somou apenas 43 minutos, divididos por três jogos.

A complexão física de Júlio Baptista, agora com 37 anos, valeu-lhe a alcunha de "besta", quando já estava em Espanha, e além de Real Madrid a qualidade do seu jogo fez com que alinhasse em clubes como Arsenal, Roma e Málaga. Em 2013 voltou ao Brasil, para representar o Cruzeiro, deixando o seu país natal novamente em 2016, rumo ao Orlando City, dos EUA.

Ficou sem clube após o fim da experiência norte-americano, em 2017, regressando à Europa no início desta época, para representar os romenos do Cluj, clube treinador pelo português António Conceição, que saiu da equipa em fevereiro deste ano. No plantel do Cluj estão ainda os portugueses Mário Camora e Thierry Moutinho.

No entanto, os problemas físicos de Júlio Baptista, 48 vezes internacional brasileiro, não o deixaram ajudar a equipa e acabou agora por rescindir, somando 43 minutos em três jogos, todos no início da época.

Segundo o jornal As, o brasileiro de 37 anos tinha um contrato que lhe valia 52 mil euros por mês, mas não conseguindo recuperar de uma lesão no joelho esquerdo, clube e atleta acordaram a saída.

O clube comunicou a saída e falou numa solução "amigável", destacando a contribuição "significante" de Júlio Baptista no balneário dos romenos. O Cluj referiu ainda o "profissionalismo" do brasileiro foi um bom exemplo para os jovens jogadores do clube.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".