Jovane Cabral, a nova pérola cabo-verdiana que encanta o Sporting

Jogador de 19 anos brilha no Sporting. Em quatro jornadas sofreu um penálti que ajudou ao triunfo em Moreira de Cónegos, serviu Nani para um golo diante do Vit. Setúbal e agora, frente ao Feirense marcou o golo da vitória (1-0).

Jovane Cabral nasceu em Assomada, Santiago, Cabo Verde a 14 junho de 1998. O que faz dele a nova pérola de Cavo Verde brilhar no Sporting, depois de Nani e Gelson Martins. O jovem extremo de 19 anos tem brilhado ao serviço dos leões neste início de campeonato e deslumbrado os adeptos com bons pormenores técnicos e uma maturidade de jogo acima da média. Em quatro jornadas sofreu um penálti que ajudou ao triunfo em Moreira de Cónegos, serviu Nani para um dos golos do compatriota diante do Vit. Setúbal e, agora, frente ao Feirense (1-0) marcou o golo da vitória leonina.

Quando chegou a Portugal esteve um ano sem jogar, sendo depois integrado na chamada "geração de 99" , a mesma de Luís Maximiano (guarda-redes), Miguel Luís (médio ofensivo), depois Thierry Correia (lateral direito) e Elves Baldé (extremo), que também já foram promovidos por José Peseiro.

"Apesar de ser de 1998, já estava integrado ao tempo na academia sem poder competir, até que na fase final da época foi inscrito e acabou por ser um elemento fundamental na conquista do título de campeão naquele que foi o seu primeiro dérbi com o Benfica", contou ao DN Pedro Gonçalves que o treinou em 2015-16 nos juvenis no Sporting.

O extremo foi o primeiro da chamada geração 99 a ser chamado por Peseiro e aproveitou a oportunidade que teve na pré-temporada para mostrar todo o seu talento. Na verdade ele já tinha sido chamado aos treinos da equipa principal por Jorge Jesus, mas, desta vez ficou no plantel principal.

E foi logo convocado para a estreia na Liga 2018-19, frente ao Moreirense (3-1). Além de mandar Matheus Pereira para a bancada arranjou um berbicacho tal a Peseiro que promete dar que falar também ao nível de seleções (foi chamado por Cabo Verde, mas ele quer a seleção portuguesa).

Frente ao Moreirense Jovane começou o jogo como suplente e saltou do banco, numa altura em que os leões estavam empatados (1-1). Entrou aos 69 minutos, para o lugar de Acuña, e nem um minuto depois arrancou pela área do Moreirense fora e sofreu a falta que permitiria a Bas Dost, na marcação da respetiva grande penalidade, fazer o 2-1 e catapultar o Sporting para o triunfo final. Uma entrada em grande do luso-cabo-verdiano.

Uma semana depois entrou e assistiu Nani para o golo do triunfo diante do Vitória de Setúbal.

Este sábado, voltou a ser titular e acabou por ser o autor do golo da vitória, frente ao Feirense, aos 88 minutos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.