José Peseiro apresentado este domingo como treinador do Sporting

DN chegou à fala com o treinador, que não quis comentar, e com Sousa Cintra, que não desmentiu a possibilidade de o ribatejano regressar a Alvalade 13 anos depois

José Peseiro é o novo treinador do Sporting, 13 anos depois de ter abandonado Alvalade. O DN chegou à fala com o treinador que não quis comentar ao passo que Sousa Cintra apenas revelou que ia anunciar o treinador na segunda-feira sem querer desmentir ou confirmar qualquer nome. Mas o DN sabe que o escolhido é mesmo Peseiro, que será apresentado este domingo ao meio-dia, estando já marcada uma conferencia de imprensa para oficializar o seu regresso.

José Peseiro esteve na época passada ao serviço do V. Guimarães, na segunda metade da temporada. Antes disso tinha concedido uma entrevista ao DN na qual confessou que gostava ainda de treinar o Benfica e completar o círculo dos grandes.

Esta assim escolhido o sucessor de Mihajlovic, treinador sérvio que foi contratado ainda na gerência de Bruno de Carvalho, mas que acabou por ser despedido por Sousa Cintra, novo presidente da SAD dos leões, sem ter aquecido o lugar.

José Peseiro treinou os leões entre 2004 e 2006. Em Alvalade não conquistou títulos, mas chegou à final da Taça UEFA na temporada 2004/05, tendi perdido na final com o CSKA Moscovo. Ao serviço do Sporting terminou um época o campeonato em terceiro lugar e na outra no segundo posto. Em Portugal, além do Sporting, treinou o Nacional, Sp. Braga, FC Porto e V. Guimarães.

Entre as várias experiências no estrangeiro, destacam-se o Real Madrid, onde foi adjunto de Carlos Queiroz, e o Panathinaikos, onde foi treinador principal. O único título de campeão foi ganho no Egito, em 2015/16, pelo Al-Ahly.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.