Jogadores do FC Porto B participaram no treino da seleção do Brasil em Portugal

A seleção canarinha vai jogar este sábado no Estádio do Dragão um particular com o Panamá. Como faltavam jogadores ao selecionador Tite, quatro jovens portistas foram chamados para treinar com algumas estrelas brasileiras.

Quatro jogadores do FC Porto B integraram esta segunda-feira o primeiro treino que a seleção brasileira de futebol fez em Portugal, na preparação para o jogo de sábado, com o Panamá, no estádio do Dragão.

Os jovens dragões Levi Faustino, Gonçalo Borges, Afonso Sousa e Justiniano foram chamados ao treino realizado no Estádio do Bessa, no Porto, para colmatar algumas ausências na seleção brasileira, tendo, inclusive, participado na peladinha orientada pelo técnico Tite.

O selecionador dos canarinhos orientou um treino ligeiro, no qual apenas Casimiro, Danilo, Éder Militão, Miranda, Philippe Coutinho e Felipe Anderson, além dos guarda-redes Ederson, Alisson e Werton, começaram de início.

A estes juntaram-se dois jovens brasileiros, que vieram com a comitiva - Glauber (Botafogo) e Lucas Santos (Vasco da Gama) -, que ajudam a complementar o lote dos 23 convocados.

Já com o treino em curso, subiram ao relvado o estreante do FC Porto Alex Telles, Neres, Paquetá, Arthur, Firmino, Gabriel Jesus, Alan, Fabinho e Richarlison, mas que se limitaram a fazer corrida.

Alex Sandro, Marquinhos, Thiago Silva e Vinicius ficaram pelo ginásio e não se juntaram aos companheiros no relvado, enquanto Fagner e Everton apenas nesta terça-feira se juntam à comitiva para fechar o grupo.

Depois desta sessão de trabalho no Estádio do Bessa, que foi aberta à comunicação social, mas não ao publico, a seleção brasileira volta aos treinos nesta terça-feira, às 16:00, no Centro de Treinos do FC Porto, no Olival.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.