"Importante é ganhar. Agora vem o FC Porto e é nisso que vamos focar"

Bruno Lage disse que sentiu a equipa do Benfica "mais consistente" e agora quer o foco no jogo com o FC Porto para a Taça da Liga. Luís Castro desiludido: "Merecíamos muito mais"

Após a quarta vitória em quatro jogos ao comando do Benfica, Bruno Lage disse ter sentido "a equipa cada vez mais consistente", apesar das dificuldades sentidas pelos encarnados nesta partida em Guimarães.

"Na primeira parte fomos a melhor equipa. A segunda parte foi mais repartida. O V. Guimarães encostou-nos um pouco às cordas nessa altura e é curiosamente nesse momento que fazemos o golo. O futebol é assim", reconheceu o técnico do Benfica.

Bruno Lage explicou ainda por que razão optou por Castillo em detrimento de Seferovic no onze inciial. "O Castillo jogou por duas razões: por desgaste do Seferovic e porque sabíamos que o V. Guimarães ia tentar fechar o jogo interior. Por isso, lancei o Castillo também para forçar a profundidade", referiu.

O treinador das aguias não quer perder muito tempo a pensar no calendário da segunda volta e nas visitas que tem que fazer aos principais rivais na luta pelo título, preferindo focar toda a atenção na meia-final da Taça da liga, com o FC Porto, na próxima terça-feira. "O que eu penso é em manter o foco treino a treino, jogo a jogo. O próximo é com o FC Porto e é nesse que vamos pensar agora. O importante é ganhar agora ao FC Porto".

Luís Castro: "Merecíamos muito mais"

Imagem da desilusão no final da partida era o técnico do Vitória, Luís Castro. "Não marecíamos mais, merecíamos muito mais. Não há dúvida disso, em relação ao que fizemos ao longo de todo o jogo", começou por dizer o treinador.

"É uma fotocópia do último resultado, mas não é uma fotocopia do que foi o jogo da Taça. Este foi totalmente diferente. Hoje jogámos com bloco alto. pressionámos sempre à saida de bola do benfica, conseguimos entrar por um lado e pelo outro, tivemos algumas situações e um domínio forte ao longo de todo o jogo", frisou Luís Castro, que acrescentou: "Nunca nos demos por saitsfeitos com o empate, fomos sempre à procura da vitória. Infelizmente, o que conta é o resultado."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.