Hélio Sousa vai ser o novo selecionador nacional do Bahrain

Após nove anos nas seleções mais jovens de Portugal e dois títulos europeus conquistados, o treinador de 49 anos abraçará um novo projeto depois do Mundial de sub-20, que começa em maio

Hélio Sousa, selecionador nacional de sub-20, vai ser o novo selecionador do Bahrain, anunciou a federação de futebol daquele país nas redes sociais. O ex-jogador faz parte da estrutura da Federação Portuguesa de Futebol desde 2010 e já conquistou dois títulos europeus: sub-17, em 2016, e sub-19, em 2018. É a primeira experiência profissional do português no estrangeiro.

O treinador de 49 anos tem contrato com a FPF até junho deste ano e sairá depois da participação portuguesa no Mundial de sub-20, que se realiza na Polónia e tem início no final de maio.

Hélio Sousa treinou praticamente todas as seleções jovens portuguesas, exceto os sub-21, e vai agora orientar o país que chegou aos oitavos-de-final da Taça da Ásia deste ano e foi eliminado pela Coreia do Sul de Paulo Bento.

Como jogador, Hélio Sousa representou toda a carreira a o V. Setúbal e conquistou em 1989, ao serviço da seleção nacional, o Mundial de sub-20, em Riade, na Arábia Saudita.

Agora, o setubalense procura nova vitória na prova, mas enquanto selecionador. Na fase de grupos, Portugal vai defrontar a Argentina, Coreia do Sul e África do Sul. A prova realiza-se na Polónia, de 23 de maio a 15 de junho.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.