Golo de Zainadine ofereceu vitória do Marítimo na Vila das Aves

Os madeirense já somam nove pontos, enquanto os avenses continuam na última posição da I Liga

Um golo de Zainadine Junior, muito perto do intervalo, permitiu este domingo ao Marítimo vencer em casa do Desportivo das Aves por 1-0, em jogo da 4ª jornada da I Liga.

Com este resultado, os madeirenses atingem os nove pontos, enquanto os avenses continuam no último lugar com apenas um ponto.

O golo que decidiu a partida, surgiu na sequência de um canto de Jorge Correa que, que beneficiou de um primeiro desvio para encontrar Zainadine a cabecear para o fundo das redes da baliza do francês Beunardeau.

Confira aqui a classificação da I Liga

FICHA DO JOGO

Estádio do CD Aves (1.300 espetadores)
Árbitro: João Pinheiro (Braga)

Desportivo das Aves: Beunardeau; Rodrigo Soares, Carlos Ponck, Rodrigo Defendi, Nélson Lenho; Braga (Amilton, 66), El-Adoua, Rúben Oliveira; Mama Baldé, Derley (Michel Douglas, 61) e Hamdou (Nildo Petrolina, 51)

Treinador: José Mota.

Marítimo: Amir Abedzadeh; Bebeto, Zainadine, Lucas Áfrico, Fábio China; Fabrício Baiano, Jean Cléber; Danny (Gamboa, 78), Jorge Correa (Marcão, 89), Leandro Barrera (Edgar Costa, 63); Joel Tagueu
Treinador: Cláudio Braga.

Cartão amarelo para Zainadine (22), Lucas Áfrico (43), Bebeto (66), Amir Abedzadeh (74) e RodrigoDefendi (90+3)

Marcador: 0-1, Zainadine (45+1)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.