Bruno Lage: "A equipa está a crescer de jogo para jogo"

O treinador do Benfica enalteceu a "bonita homenagem" a Chalana e revelou que "atitude, qualidade e compromisso" aos seus jogadores. Costinha fala em segunda parte "horrível" da sua equipa

Bruno Lage, treinador do Benfica, enalteceu a "grande exibição" da sua equipa "com um resultado histórico e a jogar com qualidade".

"O Benfica são as pessoas. Foi dessa forma que fui educado e aprendi. Hoje, era o dia das pessoas, da família, das casas do Benfica e de fazer uma bonita homenagem ao Fernando Chalana. Os jogadores juntaram-se, fizeram uma grande exibição, com um resultado histórico e a jogar com qualidade", começou por dizer, admitindo que "a equipa está a crescer de jogo para jogo".

"Vamos sentindo, analisando e foi uma vitória muito boa. É isso que temos de valorizar. Espero que os adeptos não se cansem é isto que exijo: atitude, qualidade e compromisso. Queremos jogar com emoção. É dia a dia, treino a treino e é esta a minha maneira de ver as coisas", acrescentou.

Questionado se depois deste resultado de 10-0, promete a conquista do título aos adeptos, Bruno Lage foi prático: "Prometo que amanhã [segunda-feira] estarei a treinar com todos os jogadores disponíveis para depois fazer mais uma boa exibição com o Galatasaray."

Costinha: "A minha equipa fez tudo mal e o responsável sou eu"

Desiludido estava Costinha, treinador do Nacional, depois de sofrer uma goleada no Estádio da Luz como não se via há 55 anos "Não sei se é o pior dia da minha carreira. As minhas primeiras palavras vão para os adeptos, que não merecem este resultado, nem esta humilhação. A minha equipa fez tudo mal, fomos punidos e o principal responsável sou eu. É mais pelo peso dos 10-0, mas, na prática, são três pontos", disse.

Costinha fez questão de dizer que "há mérito do Benfica, mas há muito demérito" da sua equipa. "Explicações? Temos que tentar encontrá-las, perceber o que não correu bem, se a mensagem passou devidamente ou não, mas é difícil quando se perde por 10-0. Os dois primeiros golos deram a tranquilidade ao Benfica. Trabalhámos a importância do Grimaldo pelo corredor, mas a minha equipa foi apática em alguns lances. A segunda parte não tenho palavras para descrever, foi horrível."

Questionado sobre se tem condições para continuar no comando técnico do Nacional, atirou: "O presidente é que tem de responder. Ele sabe o que vai na minha cabeça, o que transmiti. Pelo meu lado, a minha força, caráter e personalidade não vão fragilizar."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.