Ex-presidente do Flamengo indiciado por homicídio no incêndio do centro de estágio

O inquérito da Polícia Civil do Rio de Janeiro pede ainda o indiciamento de sete outras pessoas por dolo eventual

O inquérito da Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou esta terça-feira Eduardo Bandeira de Mello, ex-presidente do Flamengo, por homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de morte) na sequência do incêndio no centro de estágio que no dia 8 de fevereiro provocou a morte a dez jovens futebolistas, entre os 14 e os 16 anos, que viviam nas instalações do clube carioca, na Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio.

De acordo com a Globo, o inquérito assinado pelo delegado Márcio Petra pede ainda o indiciamento por dolo eventual de outras sete pessoas, entre as quais um técnico de refrigeração e engenheiros do Flamengo e da empresa NHJ, responsável pelos contentores onde dormiam as vítimas.

A investigação revela que as pessoas agora indiciadas tinha conhecimento que diversos atletas residiam no contentor onde deflagraram as chamas, que a estrutura tinha várias irregularidades estruturais e elétricas e não podia servir de dormitório. Além disso, foram detetadas ausência de manutenção nos aparelhos de ar condicionado e de condições de segurança, bem como o incumprimento da interdição do centro de treinos na sequência da ausência de alvará de funcionamento e do certificado dos bombeiros.

Recorde-se que os dez jovens morreram devido ao incêndio causado por um curto-circuito num dos aparelhos de ar condicionado.

Ler mais

Exclusivos