Eintracht exerceu opção de compra de Jovic. Benfica lucra para já seis milhões

A revelação foi feita à SportTV pelo diretor desportivo da equipa alemã. SAD do Benfica tem ainda uma percentagem de 20% numa futura transferência. E tudo indica que vai acontecer.

O Eintracht Frankfurt já exerceu a cláusula de opção de compra do passe do avançado Luka Jovic junto do Benfica. A revelação foi feita esta quarta-feira, véspera do jogo entre as duas equipas na Liga Europa, pelo diretor desportivo do clube alemão, Fredi Bobic.

Este negócio vai permitir ao Benfica encaixar já uma verba a rondar os seis milhões de euros, mas a maior fatia para os encarnados ainda está para chegar. O avançado sérvio, um dos melhores marcadores da Bundesliga, está a ser muito cobiçado por vários colossos europeus, e a SAD do Benfica, no âmbito do acordo de empréstimo, garantiu ainda uma percentagem de 20% numa futura venda do goleador.

"Conheço o Jovic desde os 17 anos, quando jogava na Sérvia. Falei com ele quando estava no Benfica e percebemos que precisava de uma mudança. A direção do Benfica foi compreensiva. Acionámos a opção de compra. Não sei se sairá agora ou daqui a um ou dois anos, mas todos vão lucrar. Não gosto de falar sobre comissões, mas é uma situação vantajosa para os dois clubes", referiu o dirigente alemão em declarações à SportTV.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.