"É Serena quem deve um pedido de desculpas"

Antigo árbitro australiano, que esteve envolvido num célebre castigo a John McEnroe, defende o juiz português Carlos Ramos no caso do incidente com Serena Williams

Em 1987, o US Open também viveu uma acesa polémica de arbitragem como aquela que no último sábado envolveu o árbitro português Carlos Ramos e a tenista norte-americana Serena Williams.

Aquela era uma época marcada pelo comportamento irascível do enfantterrible John McEnroe, cujos ataques verbais a tudo o que mexia faziam dividir os adeptos, entre os fãs indefetíveis do rebelde esquerdino e os conservadores que não lhe suportavam a insolência.

Na terceira ronda desse US Open, em 1987, John McEnroe defrontava Slobodan Zivojinovic e resolveu disparar contra os juízes de linha, um repórter da CBS e, por fim, contra o árbitro australiano Richard Ings, que lhe aplicou um aviso inicial, retirando-lhe depois um ponto e até um jogo.

À beira da desqualificação, McEnroe acalmou, mas isso não o impediu de ser multado em 7500 dólares (maior multa na altura) e suspenso durante dois meses. "Não posso crer num ataque mais vil e desonesto a um árbitro do que este", justificou então o supervisor chefe da Federação Internacional de Ténis (ITF).

Agora, 31 anos depois, Richard Ings, o árbitro que castigou McEnroe, saiu em defesa do juiz português Carlos Ramos, pelo incidente na final feminina do US Open a envolver Serena Williams, que acusou Ramos de sexismo e o chamou de mentiroso e ladrão, depois de o árbitro a ter sancionado por "coaching" - receber instruções por parte do treinador.

Sexismo vs. código de conduta

"Mesmo quatro dezenas de anos de experiência na arbitragem não seriam suficientes para preparar alguém para aquilo que viveu Carlos Ramos no sábado", escreveu Ings num artigo publicado no jornal Sidney Morning Herald. "No nosso jargão, chamamos este tipo de partidas como os jogos de "bem-vindo ao emprego". Posso imaginar aquilo que ele sentiu, porque eu também infligi uma penalização a John McEnroe, num court central cheio, e que lhe custou um set", lembrou o antigo juiz.

Para Ings, "as sanções aplicadas por Ramos forma inteiramente justificadas". E acrescenta: "Williams é a melhor de todos os tempos. Não poderei nunca imaginar o sexismo e racismo que ela teve de enfrentar e superar ao longo da vida e da carreira. É um ícone e uma verdadeira inspiração. Mas não podemos deixar que o seu palmarés, por muito brilhante que seja, faça esquecer que, neste caso, Williams errou. Estas decisões de arbitragem não têm nada a ver com sexismo ou racismo. Carlos apenas detetou claras quebras do código de conduta e teve a coragem de as punir, sem receio ou favores".

Por isso, finaliza, "quem deve um pedido de desculpas é Williams a Ramos, não o contrário".

Serena foi multada em 14700 euros, nem um por cento dos 1,6 milhões de euros em prémios que recebeu por ter sido finalista do torneio, ganho pela japonesa Naomi Osaka. Carlos Ramos, esse, ganhou cerca de 550 euros por arbitrar a final que o deixou sob fogo cruzado de Serena e da sua legião de apoiantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)