É mesmo de Emiliano Sala o corpo encontrado por mergulhadores

Depois de quarta-feira à noite terem recuperado um corpo nos destroços do avião que estava desaparecido desde 21 de janeiro, a polícia britânica confirma: é mesmo do futebolista argentino de 28 anos, que viajava para Inglaterra, onde assinara pelo Cardiff.

"O corpo trazido para o porto de Portland hoje, quinta-feira 7 de fevereiro de 2019, foi formalmente identificado como sendo o do futebolista profissional Emiliano Sala." Foi assim que a polícia de Dorset, no Reino Unido, deu a notícia. "As famílias do Sr Sala e do piloto David Ibbotson foram informadas e continuarão a ser apoiadas por oficiais especialmente preparados para esse efeito."

O cadáver foi recuperado na quarta-feira, nos destroços do avião em que Sala seguia para Cardiff, a caminho do seu novo clube, e que desapareceu dos radares a 21 de janeiro, sobre o Canal da Mancha. Os destroços, localizados na manhã de domingo, estão a 67 metros de profundidade. Até ao momento não foi encontrado o corpo do piloto britânico David Ibbotson, de 60 anos.

No site France Football , lê-se: "Toda a gente queria ainda ter esperança. A família, os próximos, os colegas do Nantes [o clube em que Emiliano Sala tinha jogado desde 2015]. Agora, a esperança acabou. Duas semanas depois de ter entrado do avião Piper Malibu com Cardiff como destino. Emiliano Sala morreu mesmo."

A 24 de janeiro, a polícia britânica deu as buscas por encerradas, considerando que já não havia esperança de encontrar sobreviventes. Mas foi criado um sistema de crowdfunding para financiar a continuação das buscas; vários futebolistas contribuiram -- o francês Kylian Mbappé doou 30 mil euros -- e estas continuaram.

O jogador fora anunciado pelo Cardiff City, do País de Gales, como a a contratação mais cara da história do clube, que desembolsou 15 milhões de libras por ele. No início da noite de 21, aquele que os seus amigos tratavam como Emi, ou Jaja, viajava para a sua nova casa, depois de ter ido mais uma vez a Nantes tratar dos últimos assuntos e despedir-se dos seus colegas de equipa. O sinal do avião perdeu-se pouco depois.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.