É mesmo de Emiliano Sala o corpo encontrado por mergulhadores

Depois de quarta-feira à noite terem recuperado um corpo nos destroços do avião que estava desaparecido desde 21 de janeiro, a polícia britânica confirma: é mesmo do futebolista argentino de 28 anos, que viajava para Inglaterra, onde assinara pelo Cardiff.

"O corpo trazido para o porto de Portland hoje, quinta-feira 7 de fevereiro de 2019, foi formalmente identificado como sendo o do futebolista profissional Emiliano Sala." Foi assim que a polícia de Dorset, no Reino Unido, deu a notícia. "As famílias do Sr Sala e do piloto David Ibbotson foram informadas e continuarão a ser apoiadas por oficiais especialmente preparados para esse efeito."

O cadáver foi recuperado na quarta-feira, nos destroços do avião em que Sala seguia para Cardiff, a caminho do seu novo clube, e que desapareceu dos radares a 21 de janeiro, sobre o Canal da Mancha. Os destroços, localizados na manhã de domingo, estão a 67 metros de profundidade. Até ao momento não foi encontrado o corpo do piloto britânico David Ibbotson, de 60 anos.

No site France Football , lê-se: "Toda a gente queria ainda ter esperança. A família, os próximos, os colegas do Nantes [o clube em que Emiliano Sala tinha jogado desde 2015]. Agora, a esperança acabou. Duas semanas depois de ter entrado do avião Piper Malibu com Cardiff como destino. Emiliano Sala morreu mesmo."

A 24 de janeiro, a polícia britânica deu as buscas por encerradas, considerando que já não havia esperança de encontrar sobreviventes. Mas foi criado um sistema de crowdfunding para financiar a continuação das buscas; vários futebolistas contribuiram -- o francês Kylian Mbappé doou 30 mil euros -- e estas continuaram.

O jogador fora anunciado pelo Cardiff City, do País de Gales, como a a contratação mais cara da história do clube, que desembolsou 15 milhões de libras por ele. No início da noite de 21, aquele que os seus amigos tratavam como Emi, ou Jaja, viajava para a sua nova casa, depois de ter ido mais uma vez a Nantes tratar dos últimos assuntos e despedir-se dos seus colegas de equipa. O sinal do avião perdeu-se pouco depois.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.