Sexismo na Bola de Ouro? DJ embaraçou a melhor jogadora do mundo

Martin Solveig desafiou Ada Hegerberg, vencedora da Bola de Ouro a dançar twerk no momento em que subiu ao palco para receber a Bola de Ouro e foi alvo de acusações de assédio

A cerimónia de atribuição da Bola de Ouro da revista France Football, na noite de segunda-feira, ficou marcada por um episódio polémico que teve como protagonista o DJ francês Martin Solveig: no momento de a norueguesa Ada Hegerberg subir ao palco para receber o prémio de melhor jogadora do ano 2018, o DJ desafiou-a a dançar twerk para celebrar a conquista do prémio.

O momento embaraçou a jogadora do Lyon, de 23 anos, que respondeu com um seco "não" ao mesmo tempo que tentou deixar o palco. Hegerberg acabou por manter-se no palco e de forma algo relutante acabou por aceitar o pedido para uma dança do apresentador e antigo futebolista David Ginola.

Esta situação deu origem a uma onda de críticas contra Martin Solveig, que foi mesmo acusado de assédio sexual. Através da sua conta no Twitter, o músico justificou que tratou-se apenas de uma brincadeira. "Eu expliquei a Ada e ele disse ter compreendido que foi apenas uma piada. De qualquer forma, apresento as minhas desculpas a todos os que se sentiram ofendidos. E mais importante, parabéns a Ada", escreveu o DJ francês.

No final da Gala da Bola de Ouro, Ada Hegerberg revelou que Solveig se dirigiu a ela depois do incidente "bastante chateado com as proporções que a situação atingiu". "Naquele momento, não considerei tratar-se de assédio sexual ou algo do género", garantiu a futebolista, antes de dizer que estava "muito feliz" por ter conquistado a Bola de Ouro.

Ada Hegerberg foi a primeira futebolista a ser distinguida com a Bola de Ouro, que até aqui tinha sido entregue apenas a atletas masculinos.