De Futre a Inácio. Oito jogadores elegem o clássico das suas vidas

Este sábado é dia de clássico em Alvalade. Futre, Augusto Inácio, Fernando Mendes, Eurico, Edmilson, Nélson, Dinis e Beto vestiram as duas camisolas e desafiados pelo DN elegem o Sporting-FC Porto que mais os marcou.

O DN desafiou oito jogadores que representaram os dois clubes a elegerem o clássico que mais os marcou. Aqui são recordados episódios como as laranjas atiradas pelos adeptos leoninos a Paulo Futre, quando este visitou Alvalade pela primeira vez, depois de se ter mudado para o FC Porto. Ou a estreia de Augusto Inácio no clássico, no célebre "jogo do nevoeiro" de 1975, em que o árbitro Alder Dante validou um golo aos dragões marcado por um apanha-bolas.

Já o antigo defesa direito Nélson recordou um Sporting-FC Porto de maio de 1995, que foi antecedido pela queda de um varandim, provocando a morte a dois adeptos leoninos. E Edmilson descreve o golo decisivo que marcou em Alvalade ao serviço do FC Porto em 1996 e que significou a passagem dos dragões para o primeiro lugar, posição que não mais largaram.

Sporting e FC Porto defrontam-se este sábado em Alvalade (15h30, SportTV1) em jogo da última jornada da primeira volta da I Liga. A história mostra um equilíbrio quase total em jogos oficiais entre os dois clubes, com 83 vitórias dos azuis e brancos, 82 triunfos verdes e brancos e 65 empates. Se olharmos apenas para os encontros disputados em Alvalade, a superioridade leonina é evidente, com 57 vitórias, 31 empates e 20 igualdades.

Paulo Futre

Sporting-FC Porto, 0-0 (28/04/1985), 26.ª jornada do Campeonato Nacional

Jogou 4 clássicos pelo Sporting e 6 pelo FC Porto

"Como esquecer o clássico em que voltei a Alvalade com a camisola do FC Porto? Tinha acabado de fazer 19 anos e não foi fácil enfrentar aquele ambiente hostil, que eu compreendo, pois eram adeptos que me adoravam e eu tinha ido jogar para um rival. Tive um estádio inteiro a assobiar-me e cheguei a levar com algumas laranjas, atiradas das bancadas. O próprio presidente Pinto da Costa também apanhou com umas laranjas quando antes do jogo subiu comigo ao relvado. Lembro-me que atravessámos os dois todo o campo, entrámos pela pista de tartan e fomos para junto dos adeptos do FC Porto. Isto uma hora e meia antes do jogo, mas naquele tempo os estádios já estavam cheios por essa altura nos jogos grandes. Penso que o jogo ficou empatado 0-0 e apesar do clima adverso, realizei uma boa exibição."

Augusto Inácio

FC Porto-Sporting, 2-3 (18/10/1975), 7.ª jornada do Campeonato Nacional

Jogou 15 clássicos pelo Sporting e 11 pelo FC Porto

"O jogo mais marcante que disputei entre FC Porto e Sporting foi o primeiro. E que jogo! Foi a célebre partida nas Antas que ficou conhecida pelo golo do nevoeiro, em que um apanha-bolas colocou a bola na baliza do Sporting e o árbitro Alder Dante validou, fazendo na altura o 2-2. Eu representava o Sporting e mesmo com menos um jogador, ainda conseguimos fazer o 3-2. Lembro-me que joguei a defesa direito. Não posso evidentemente deixar de fazer referência a outro clássico que vivi como treinador em 2000, quando ganhámos por 2-0 ao FC Porto em Alvalade, passámos para a liderança do campeonato e nunca mais a largámos, acabando por finalmente quebrar o jejum de 18 anos sem o título de campeão nacional."

Fernando Mendes

FC Porto-Sporting, 2-1 (02/11/1985) 9.ª jornada do Campeonato Nacional

Jogou 5 clássicos pelo Sporting e 3 pelo FC Porto

"Nunca esquecerei o primeiro clássico que disputei, na época de 1985/86. Foi uma partida nas Antas e eu tinha apenas 18 anos. Não foi fácil apanhar com aquelas estrelas todas pela frente, como o Madjer, o Futre e o Gomes. Estava nervoso, como é óbvio. Lembro-me bem que o Madjer caiu muitas vezes para o meu lado. Ganhei e perdi lances, mas mantive-me sempre na luta! Penso que perdemos, mas já não me recordo qual foi o resultado. Mas percebi logo a grande qualidade daquela equipa do FC Porto, que na época seguinte se viria a sagrar campeã europeia."

Eurico Gomes

Sporting-FC Porto, 3-3 (30/01/1983), 17.ª jornada do Campeonato Nacional

Jogou 6 clássicos pelo Sporting e 7 pelo FC Porto

"Não consigo destacar assim de caras um clássico, pois foram muitos os que disputei e sempre com o máximo profissionalismo. No entanto, não posso deixar de realçar aquele em que regressei a Alvalade, depois de ter passado a representar o FC Porto. Pensei que ia levar uma assobiadela, mas nada disso aconteceu. Os adeptos do Sporting revelaram uma grande maturidade ao aceitar a minha mudança para o rival e fui muito aplaudido. Aproveito para confessar o grande orgulho que tenho por ter recebido o Prémio Stromp, o mais alto galardão entregue a um atleta do Sporting. Lembro-me que esse Sporting-FC Porto foi um grande espetáculo, tendo terminado empatado 3-3."

Edmilson

Sporting-FC Porto, 0-1 (12/10/1996), 6.ª jornada do Campeonato Nacional

Jogou 8 clássicos pelo Sporting e 8 pelo FC Porto

"Não me esqueço de um clássico disputado em Alvalade na temporada de 1996/97 em que o FC Porto venceu por 1-0, com um golo da minha autoria. Estávamos atrás do Sporting, mas com essa vitória passámos para a frente e nunca mais deixámos a liderança. Lembro-me muito bem da jogada do golo: o Barroso lançou o Paulinho Santos no flanco direito, ele cruzou e eu desviei a bola entre o guarda-redes De Wilde e o central. Houve outro jogo marcante, o primeiro clássico que disputei pelo Sporting, em 1998/99, em que marquei um golo numa vitória por 2-0, em Alvalade [n.d.r: Edmilson foi o único jogador a marcar pelos dois clubes em jogos para o campeonato realizados em casa dos leões]."

Fernando Nélson

Sporting-FC Porto, 0-1 (07/05/1995), 30.ª jornada do Campeonato Nacional

Jogou 14 clássicos pelo Sporting e 4 pelo FC Porto

"O Sporting-FC Porto que nunca esquecerei foi aquele que infelizmente ficou marcado pela queda do varandim em Alvalade, em 1995, aquando da chegada do autocarro do FC Porto, em que morreram dois adeptos do Sporting. Não consigo perceber como é que o jogo não foi suspenso! Eu era jogador do Sporting e lembro-me que não ficou ninguém no nosso departamento médico, pois foram todos auxiliar as pessoas que caíram. Os jogadores acompanhavam tudo pela televisão e obviamente que não havia cabeça para entrarmos dentro de campo. Pouco interessou o que se passou dentro das quatro linhas, mas perdemos 0-1 e ficámos arredados da luta pelo título."

Dinis

Sporting-FC Porto, 2-0 (17/03/1974), 24.ª jornada do Campeonato Nacional

Jogou 9 clássicos pelo Sporting e 1 pelo FC Porto

"Nunca me esquecerei de uma vitória do Sporting em Alvalade, por 2-0, com dois golos meus. Foi na fantástica época de 1973/74, em que ganhámos campeonato e Taça de Portugal e chegámos às meias-finais da Taça das Taças. No primeiro golo, aproveitei o facto de o guarda-redes não ter segurado a bola e com sentido de oportunidade desviei-a para a baliza. No segundo golo, lembro-me que houve muitos protestos dos jogadores do FC Porto, que alegavam mão na bola, mas o que interessa é que a bola acabou dentro da baliza defendida pelo Tibi."

Beto

Sporting-FC Porto, 1-0 (12/08/2001), 1ª jornada da I Liga

Jogou 1 clássico pelo Sporting e 2 pelo FC Porto

"É certo que não estive dentro de campo, mas esse foi o clássico que mais me marcou, pois foi o primeiro que disputei como profissional. Representava o Sporting e lembro-me do único golo do jogo como se fosse hoje: cruzamento do João Pinto do lado esquerdo e cabeceamento imparável do Marius Niculae. Foi muito importante o Sporting ter começado bem esse campeonato, que terminou com a conquista do último título de campeão nacional por parte do clube."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.