Corpo retirado do avião em que seguia Sala

Corpo foi recuperado dos destroços do avião que caiu com o avançado argentino Emiliano Sala e o piloto David Ibbotson a bordo.

A Agência de Investigação de Acidentes Aéreos (AAIB) do Reino Unido retirou em "condições desafiantes" um corpo dos destroços do avião que se despenhou com o reforço do Cardiff, Emiliano Sala, e o piloto David Ibbotson, a bordo.

A operação foi realizada "da maneira mais digna possível" e as famílias dos dois homens foram sendo atualizadas durante todo o processo, acrescentou a AAIB, num comunicado de imprensa acedido pelo jornal argentino Clarín .

Apesar do resgate, a agência não pode informar a quem pertence o corpo resgatado, que foi transportado para a ilha de Portland para análise forense. "A identificação é um assunto da polícia e das autoridades forenses", disse Jack Short, da AAIB, ao também argentino La Nación.

Os destroços do avião foram encontrados no domingo a noroeste da ilha de Guernsey, a 63 metros de profundidade. Recorde-se que o argentino Sala - que no início da carreira jogou em Portugal, no FC Crato, dos distritais de Portalegre - se transferiu do Nantes para o Cardiff por 17 milhões de euros e viajava para o País de Gales a bordo de uma avioneta privada quando esta desapareceu dos radares no dia 21 de janeiro, quando sobrevoava o canal da Mancha.

Esta informação surge no mesmo dia em que surgiu a notícia de que o Nantes vai interpor uma ação legal para receber o valor total da transferência do avançado argentino no prazo de dez dias. Isto porque os responsáveis do Cardiff retiveram o pagamento da primeira prestação até terem em sua posse toda a documentação relativa à negociação. Uma fonte do Cardiff, citada pela BBC, garante que o clube galês irá honrar todos os compromissos assumidos com o Nantes, mas apenas depois de serem clarificados todos os factos que levaram à tragédia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.