Cardiff diz que vai pagar transferência de Sala... "quando for o momento certo"

Presidente do clube galês falou ao L'Équipe. Diz que neste momento é preciso respeitar a família do jogador que ainda está desaparecido e lembrou que nunca ninguém do clube disse que não ia pagar a transferência de 17 milhões de euros ao Nantes.

Numa pequena entrevista ao jornal francês L'Équipe, o presidente do Cardiff, Mehmet Dalman, falou pela primeira vez sobre as notícias que dão conta de que o clube inglês ainda não pagou a primeira tranche da transferência do avançado argentino, que se encontra desaparecido depois do avião onde seguia ter caído no canal da Mancha. Em causa, recorde-se, está um valor de 17 milhões de euros, num negócio entre o Nantes e o Cardiff que tinha sido fechado dias antes da tragédia.

Mehmet Dalman confirmou ao L'Équipe que o seu clube já recebeu a primeira fatura da transferência, num total de seis milhões de euros. "Aquilo que posso dizer é que se trata de um tema muito sensível. E para ser honesto, é algo que não me apetece falar", começou por dizer.

O líder do Cardiif referiu depois que nesta altura é preciso respeitar a família do avançado argentino. "O corpo ainda não foi encontrado e por isso devemos mostrar respeito pela família. Estão a tentar recuperar o avião e por isso é cedo para fazermos comentários", disse, acrescentando: "Vamos pagar quando for o momento certo. penso que nunca dissemos que não íamos pagar a transferência."

Esta reação surge depois de a BBC ter noticiado que o Nantes ia interpor uma ação legal para receber os seis milhões de euros da primeira tranche no prazo de dez dias. Isto porque os responsáveis do Cardiff retiveram o pagamento da primeira prestação até terem em sua posse toda a documentação relativa à negociação.


Uma fonte do Cardiff, citada pela BBC, já tinha garantido que o clube galês iria honrar todos os compromissos assumidos com o Nantes, mas apenas depois de serem clarificados todos os factos que levaram à tragédia. A mesma fonte, mostrou-se "surpreendida" com as exigências do Nantes, numa altura em que ainda se estão a efetuar todos os esforços para recuperar o corpo do jogador, uma vez que só na segunda-feira o avião foi encontrado no fundo do mar, perto de Guernsey, precisamente duas semanas depois de ter desaparecido do alcance dos radares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?