CAN. Festejos da vitória da Argélia acabam em confrontos em França

Foram detidas 249 pessoas no domingo à noite na sequência de desacatos em várias cidades francesas durante as comemorações da classificação da Argélia para a final da CAN, a Taça das Nações Africanas de Futebol.

Um total de 282 pessoas foram identificadas e 249 acabaram foram detidas no domingo à noite na sequência de desacatos em várias cidades francesas durante as comemorações da classificação da Argélia para a final da CAN, a Taça das Nações Africanas de Futebol, anunciou o Ministério do Interior francês.

Em Paris, em particular, a situação nos arredores dos Campos Elísios foi bastante tensa, com intervenções da polícia para dispersar a multidão de adeptos argelinos que se juntaram para comemorar a vitória de 2-1 sobre a Nigéria no domingo à noite na partida realizada no Estádio Internacional do Cairo. Depois de cenas de alegria, a situação deteriorou-se, com adeptos a lançarem petardos e projéteis contra polícias, que foram mobilizados em grande número diante de possíveis incidentes. A polícia usou gás lacrimogéneo. Os jovens também atingiram motociclos e vedações.

Na última quinta-feira, os festejos dos adeptos que celebraram a vitória da Argélia nos quartos-de-final já tinham sido marcados por incidentes, com 73 pessoas detidas. A alegria transformou-se em drama em Montpellier. Um adepto perdeu o controlo do veículo que dirigia e atropelou uma família, tendo morto uma mulher e deixado o seu bebé em estado grave.

"O futebol não é isto. O futebol não é atacar as forças da ordem. O futebol não é atacar montras de lojas. Isto é totalmente inaceitável", reagiu na altura o ministro do Interior, Christophe Castaner, que prometera meios redobrados para o jogo de domingo.

"Aqueles que fizeram isso basicamente desprezam os valores do desporto, os valores do futebol, mas também o país cuja vitória celebraram neste jogo", disse o ministro. Já na segunda-feira de manhã, Castaner saudou as forças de segurança e os bombeiros pelo seu "profissionalismo que tornaram possível conter a violência e prender os seus perpetradores".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.