Benfica com goleada de mão cheia antes dos dérbis

O Boavista chegou a assustar, mas com João Félix e Pizzi em grande, os encarnados mostraram uma enorme superioridade. Seferovic bisou e Grimaldo fechou a goleada que antecede os dois jogos com o Sporting


O Benfica alcançou esta terça-feira uma goleada de 5-1 diante do Boavista, no Estádio da Luz, numa partida em que a equipa orientada por Bruno Lage mostrou boa qualidade de jogo e um grande volume ofensivo perante um adversário que, apesar de ter chegado a assustar, raramente se mostrou capaz de ameaçar a superioridade da equipa da casa.

Este é um triunfo importante para os encarnados, que vinham de uma derrota com o FC Porto para a Taça da Liga, e enfrentam agora dois dérbis com o Sporting, o primeiro em Alvalade para a I Liga já no domingo, e o segundo para a Taça de Portugal na Luz.

Com os três pontos conquistados, o Benfica coloca agora pressão sobre o FC Porto que esta quarta-feira recebe o Belenenses SAD, estando obrigado a vencer para manter os cinco pontos com que partiu na liderança para esta 19.ª jornada.

Susto faz despertar as águias

A partida começou praticamente com um enorme susto para os adeptos benfiquistas, quando Gabriel fez um passe demasiado curto para Vlachodimos, proporcionando a Aymen Tahar ficar sozinho perante o guarda-redes encarnado, que beneficiou da fraca pontaria do médio inglês de origem argelina, que atirou a bola ao poste.

Este susto logo aos sete minutos parece ter despertado os jogadores do Benfica, que arregaçaram as mangas e foram para o ataque, acabando por ter eficácia máxima, pois abriram o marcador no primeiro remate à baliza. Foi João Félix, de cabeça, a responder a um livre da direita cobrado por Pizzi. A partir desse momento, a equipa de Bruno Lage começou a desfiar uma série de jogadas envolventes, que foram empurrando os axadrezados para a sua área.

O futebol do Benfica passava quase sempre pelos pés de Pizzi e João Félix, que ligavam o jogo da equipa, beneficiando de uma pressão muito forte que permitia aos encarnados recuperar rapidamente a posse de bola, não dando qualquer margem para que o Boavista conseguisse sair para contra-ataques rápidos. A superioridade encarnada foi tanta que aos 24 minutos já tinha oito cantos conquistados e uma série de lances que só não deram em golo devido ao acerto do defesa-central Neris (excelente primeira parte), sempre no caminho da bola, e do guarda-redes Hélton Leite.

Os ponteiros do relógio aproximavam-se da meia hora de jogo quando Rafa Silva lançou Seferovic, o suíço rematou para uma defesa incompleta de Hélton Leite, aparecendo Pizzi ao segundo poste para fazer o segundo golo. Nesse momento, dava a sensação que os três pontos já estavam garantidos pelo Benfica e que, até final do jogo, era uma questão de saber quantos mais golos iria marcar.

Mas como o futebol não é matemática, eis que, no primeiro canto conquistado pelos axadrezados, João Talocha reduziu aproveitando uma má coordenação entre Rúben Dias e Jardel, que não conseguiram afastar a bola. Estava relançada a partida à beira do intervalo.

O momento João Félix

A segunda parte ficou marcada por uma boa entrada do Boavista, que tentava criar estragos na área contrária através de um jogo de pé para pé, à procura de espaços. Mas essa mudança estratégica durou pouco tempo, mais concretamente oito minutos. E aí apareceu o talento de João Félix, que arrancou desde o seu meio-campo, deixou um adversário para trás, e depois fez um cruzamento largo para que Seferovic só tivesse que encostar a bola para a baliza, ainda que Hélton Leite tenha tocado na bola.

As dúvidas que eventualmente existiam nessa altura na Luz caíam por terra. O Benfica voltava à matriz da primeira parte, com uma enorme capacidade de reagir à perda da bola para depois envolver muitos jogadores no ataque. E foi assim que surgiu o quarto golo, que começa com mais um passe brilhante de João Félix, que soltou Pizzi pela direita para um remate que Hélton Leite defendeu e lá estava Seferovic para bisar, chegando aos 10 golos na I Liga e aos 13 na temporada... o suíço nunca tinha marcado tantos golos numa só época.

Os recordes de Seferovic e Grimaldo

E por falar em recorde de golos numa época, eis que apareceu o momento alto da partida quando Grimaldo aplicou um remate colocado que não deu hipóteses ao guarda-redes axadrezados. O lateral espanhol fez o quinto golo da temporada, seu recorde pessoal.

Na reta final do jogo, Samaris fez falta na área sobre Carraça quando tentava o corte, mas Vlachodimos estirou-se para negar o golo de Mateus, defendendo o seu primeiro penálti de águia ao peito.

Com esta derrota, o Boavista cai na zona de despromoção, numa altura em que Lito Vidigal está pronto para assumir o comando da equipa, que na Luz foi orientada por Jorge Couto. Certo é que os axadrezados terão de melhorar muito a sua forma de jogar, ser mais agressiva e mais compacta para que possa deixar a situação difícil em que se encontra na tabela classificativa.

A FIGURA - JOÃO FÉLIX

O menino de 19 anos divide o palco de melhor em campo com Pizzi, mas as pinceladas de talento deste jovem avançado fazem as pessoas irem ao futebol. Abriu o marcador com um golpe de cabeça quando tinha um defesa na marcação. No início da segunda parte inventou o terceiro golo com uma arrancada desde o meio-campo do Benfica e com um passe com selo de golo para Seferovic, tendo ainda iniciado o lance do 4-1 com um passe de classe. É um talento indiscutível do futebol português e mesmo quando erra um passe, arregaça as mangas e vai à luta para recuperar a bola.

VEJA O RESUMO DA PARTIDA

FICHA DO JOGO

Estádio da Luz, em Lisboa (41 352 espetadores)
Árbitro: Rui Costa (Porto)

Benfica: Vlachodimos; André Almeida, Rúben Dias, Jardel, Grimaldo; Pizzin (Gedson Fernandes, 82'), Samaris, Gabriel, Rafa Silva (Zivkovic, 61'); João Félix, Seferovic (Ferreyra, 72')
Treinador: Bruno Lage

Boavista: Hélton Leite; Edu Machado, Neris, Gonçalo Cardoso, João Talocha; Idris Mandiang, Aymen Tahar (Carraça, 82'); Matheus Índio (André Claro, 75'), Perdigão, Mateus; Rafael Lopes (Falcone, 75')
Treinador: Jorge Couto

Cartão amarelo a Neris (82')

Golos: 1-0, João Félix (9'); 2-0, Pizzi (28'); 2-1, João Talocha (42'); 3-1, Seferovic (55'); 4-1, Seferovic (73'), 5-1, Grimaldo (85')

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.