Benfica vence Chivas na International Cup

Encarnados passaram no primeiro teste do torneio que estão a disputar nos Estados Unidos, com golos de Raul de Tomas, Rafa e Seferovic.

O Benfica venceu este sabádo o Chivas, do México, por 3-0, em jogo relativo ao torneio International Champions Cup, partida realizada nos Estados Unidos.

O reforço Raul de Tomas abriu o marcador logo aos cinco minutos, de cabeça, a corresponder a um centro do brasileiro Caio Lucas. O resultado manteve-se até ao intervalo, apesar de a equipa mexicana ter tido uma boa oportunidade, aos 43', num lance em que o guarda-redes Vlachodimos se opôs com categoria.

No segundo tempo, aos 70', Rafa Silva fez o 2-0 na sequência de um bom passe de Jota. E Seferovic fechou o marcador aos 75', após um bela assistência de Tarabt. Mesmo em cima do apito final, o Chivas atirou uma bola ao poste num livre de Ponce.abt

Este foi o terceiro jogo realizado pelo Benfica nesta pré-temporada, depois da derrota por 1-2 com o Anderlecht, na Luz, no jogo de apresentação aos sócios (golo de Chiquinho) e da goleada à Académica de Coimbra, por 8-0 - golos de Raul de Tomas (2), Conti (2), Pizzi, Rafa, Seferovic e Tarabat. Os encarnados voltam a jogar no dia 25 diante da Fiorentina e terminam a digressão pelos Estados Unidos no dia 28, após o jogo com o AC Milan. Recorde-se que a Supertaça, diante do Sporting, no primeiro jogo oficial da época, está agendado para 4 de agosto, no Algarve.

O Benfica jogou de início com: Odysseas; Nuno Tavares, Rúben Dias, Ferro e Grimaldo; Florentino, Gabriel, Pizzi e Caio; Raul de Tomas e Seferovic.

Jogaram ainda: Samaris, Taarabt, Jota, Chiquinho, Cervi, Zivkovic, Ebuehi e Fejsa.

Golos: Raul de Tomas aos 4'; Rafa Silva aos 70' e Seferovic aos 75'

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.