Benfica garante médio Gabriel por oito milhões de euros

Os encarnados já chegaram a acordo com o Leganés e o médio chega a Lisboa à 00.30. Neste sábado faz exames médicos e à noite assistirá ao dérbi na Luz entre Benfica e Sporting

O médio brasileiro Gabriel vai mesmo ser reforço para Rui Vitória. O Benfica chegou esta sexta-feira a acordo com o Leganés para a transferência do médio de 24 anos, por uma verba a rondar os oito milhões de euros, ficando o clube espanhol com uma percentagem de uma mais-valia sobre uma futura venda.

O jogador vai chegar a Lisboa às 00.30, neste sábado faz exames médicos e à noite, depois de assinar contrato válido por cinco temporadas, assistirá na tribuna do Estádio da Luz ao dérbi com o Sporting.

Gabriel Appelt, que tem nacionalidade portuguesa, era um desejo dos encarnados que se arrastava neste verão, tendo as negociações estado bastante complicadas, uma vez que o clube espanhol, dos arredores de Madrid, não aceitava a proposta do Benfica.

Contudo, a persistência dos encarnados e do atleta, que chegou a trabalhar à parte do plantel do Leganés, foram determinantes para que a transferência se consumasse agora.

Gabriel foi formado no Vasco da Gama, mas aos 18 anos foi transferido para Juventus por 2 milhões de euros, mas acabou por nunca jogar na Vecchia Signora, tendo sucessivamente emprestado ao Pro Vercelli, Spezia, Pescara, Livorno e Leganés, que em 2016 avançou para a compra do passe do jogador por um milhão de euros.

Em três anos no Leganés, Gabriel tornou-se num titular indiscutível, tendo na época passada marcado seis golos em 35 jogos, tendo sido importante para que o clube conseguisse a permanência na principal Liga espanhola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.