Benfica arranca na 2.ª divisão feminina com uma vitória por 28-0

Darlene marcou oito dos golos das encarnadas, frente ao Ponte de Frielas

A equipa do Benfica entrou de forma avassaladora no Campeonato de Promoção, a segunda divisão nacional de futebol feminino, batendo a equipa da Ponte de Frielas por 28-0.

Ficou desde logo claro, no arranque, que a subida à primeira divisão deverá ser uma questão formal para a equipa encarnada, que apostou forte no futebol feminino para esta temporada, com a contratação de várias jogadoras internacionais de Portugal, Espanha ou Brasil, mas teve de arrancar o projeto no segundo escalão depois de ter recusado, há dois anos, o convite inicial da Federação Portuguesa de Futebol, que Sporting e Sp. Braga aproveitaram.

Este domingo, a equipa treinada por João Marques, antigo técnico do Sp. Braga, não demorou a impor a sua superioridade sobre a formação da Ponte de Frielas. Aos dois minutos Evy Pereira abriu o marcador, que aos 10 minutos já estava em 4-0. O intervalo chegou com uma vantagem de 16-0 para a equipa do Benfica, que na segunda parte marcou então mais doze golos.

A internacional brasileira Darlene Souza foi a melhor marcadora, apontando oito dos golos. Geyse, outra internacional canarinha de sub-20, fez seis.

O jogo decorreu no Estádio da Tapadinha, em Alcântara, e contou com a presença do presidente encarnado Luís Filipe Vieira nas bancadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.