"Bendita a mãe que te pariu", disse Dolores Aveiro após exibição de Ronaldo

Português protagonizou mais uma noite de glória na Liga dos Campeões, ao marcar os três golos da Juventus frente ao Atlético Madrid, no jogo que decidia a continuidade dos italianos em prova

Cristiano Ronaldo protagonizou na última terça-feira mais uma noite histórica na Liga dos Campeões. Com a Juventus a precisar do português, este disse presente e apontou um hat trick frente ao Atlético Madrid, apurando a Juventus para a fase seguinte. Ronaldo foi destaque em todo o mundo, Maradona e Guardiola falaram dele, com a onda de elogios a chegar, obviamente, a Dolores Aveiro, mãe do craque.

Dolores Aveiro partilhou no Instagram uma imagem de Cristiano Ronaldo, acompanhada das expressões "bendita a mãe que te pariu" e "meu filho querido".

De Maradona a Guardiola

A Juventus perdeu 2-0 no campo do Atlético Madrid na primeira mão dos oitavos-de-final e ontem a reviravolta foi conseguida muito por responsabilidade de Cristiano Ronaldo. Como sempre, o feito não passou ao lado da imprensa internacional e dos grandes nomes do futebol.

Apesar do seu Manchester City ter goleado o Schalke 04 por 7-0, Guardiola disse que o português foi a "estrela do dia". Diego Maradona, compatriota de Messi, falou na força que Ronaldo tem. "Há jogadores que são tocados pela varinha mágica. A verdade é que nós argentinos estamos orgulhosos do facto de Messi ser argentino e não espanhol, mas Ronaldo é um animal. É pura potência e agora também é bruxo, porque disse que ia fazer três golos e fez", afirmou Maradona, segundo a Marca.

Em Itália, mas também em espanha, os jornais renderam-se à exibição de Cristiano Ronaldo. "Monstruoso", resume o Corriere dello Sport. "Ira de Deus", é a manchete de La Gazzetta dello Sport. "Marciano", sintetiza o Tuttuosport. "Cristiano impõe a sua lei", descreve a Marca. "Cristiano rei da Champions", destaca o As.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.