Medo de perder deixou Sporting longe do título e FC Porto sem bater recorde

Sporting e FC Porto empataram a zero este sábado em Alvalade, em partida da 17.ª jornada da I Liga. Dragões ficam-se pelas 18 vitórias consecutivas, leões continuam a oito pontos da liderança e terminam primeira volta em quarto lugar

Num clássico em que Sporting e FC Porto tiveram mais medo de perder do que vontade de ganhar, as duas equipas repetiram o resultado da época passada e empataram a zero em Alvalade, um resultado que impede os dragões de bater o recorde de vitórias consecutivas em Portugal - embora tivessem igualado o máximo de 18 triunfos estabelecido pelo Benfica de Jorge Jesus em 2010/11 - e de terminar a série negativa de 14 partidas sem vencer no reduto do rival, mas que castiga mais o leão, que vai entrar na segunda volta na quarta posição e a oito pontos do líder.

Apesar da importância e do grau de dificuldade do desafio, leões e dragões resistiram à tentação de reforçar o meio-campo e acabaram por apresentar os onzes habituais, ainda que adotando uma postura mais cautelosa do que nos encontros das jornadas anteriores.

O FC Porto entrou melhor, com mais bola e a conseguir jogar no meio-campo adversário, mas sem chegar com perigo à área adversária - zero remates enquadrados na primeira parte -, até porque os dois conjuntos anularam-se mutuamente a meio-campo, reduzindo o espaço e tapando as linhas de passe. O Sporting foi soltando as amarras a partir do quarto de hora inicial, procurando sobretudo explorar os momentos de contra-ataque para apanhar o adversário desequilibrado, mas o melhor que conseguiu foi um remate de Nani intercetado por Felipe (35 minutos) e outro de Bas Dost que saiu à figura de Casillas (45').

Pelo meio, Sérgio Conceição - que continua sem vencer em Alvalade como treinador, ao sexto jogo - viu-se obrigado a promover uma substituição forçada, devido a lesão de Maxi Pereira, fazendo entrar Óliver para o meio-campo e recuar Corona para o lado direito da defesa.

FC Porto surpreende com troca de sistema

No segundo tempo, os portistas surpreenderam ao entrar em 4x2x3x1, abandonando a fórmula inicial de 4x4x2 para encostar Marega mais ao corredor direito e preencher a zona central com Danilo e Óliver nas costas de Herrera, com Soares como único ponta de lança. A mudança surtiu alguns efeitos, pois até à hora de jogo o FC Porto criou as suas únicas ocasiões de golo: uma finalização de Soares defendida por Renan (56') e um remate de Marega ao lado (60').

O jogo tornou-se um pouco mais partido com o desenrolar dos acontecimentos, mas o Sporting, que ficou privado do lesionado Bruno Gaspar no início da segunda parte, só criou perigo através de remates de fora da área. Bruno Fernandes (62') e Gudelj (77') bem encheram o pé, mas do outro lado estava um experiente e muito concentrado Iker Casillas. Bas Dost, de regresso ao onze após ter falhado o duelo com o Tondela, continua sem marcar ao FC Porto.

Ficha de jogo

Jogo no Estádio José Alvalade, em Lisboa.

Árbitro: Hugo Miguel (AF Lisboa).

Assistência: 45.174 espetadores.

Sporting: Renan, Bruno Gaspar (Ristovski, 47), Mathieu, Coates, Jefferson, Gudelj, Bruno Fernandes, Wendel (Petrovic, 90), Nani, Diaby (Raphinha, 81) e Bas Dost.

Treinador: Marcel Keizer.

FC Porto: Casillas, Maxi Pereira (Oliver, 43), Militão, Felipe, Alex Telles, Herrera, Danilo (Hernâni, 83), Brahimi, Corona, Marega e Soares (Fernando Andrade, 75).

Treinador: Sérgio Conceição.

Disciplina: cartão amarelo para Herrera (11), Jefferson (16), Bruno Fernandes (33), Felipe (39), Coates (85), Raphinha (87), Marega (89) e Fernando Andrade (90+4).

Veja aqui o resumo do jogo

Filme do jogo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.