Administrador do Sporting admite parceria com Jorge Mendes

Em entrevista à agência Lusa, Francisco Salgado Zenha considerou "muito positivo" o mercado de transferência de verão e explicou que as vendas permitiram a continuidade de Bruno Fernandes.

Francisco Salgado Zenha, administrador da SAD do Sporting, reconheceu esta terça-feira em entrevista à agência Lusa que Jorge Mendes é um parceiro do clube, sem o diferenciar de outros agentes, apesar de não ter adquirido qualquer jogador àquele empresário.

"O Jorge Mendes é um parceiro, como é uma quantidade enorme de agentes, porque sempre dissemos que trabalhamos com todos os agentes, mas defendendo os nossos interesses. Por curiosidade, não comprámos nenhum jogador com o Jorge Mendes, só vendemos, e contribuiu nas operações de Rui Patrício, Gelson Martins, Daniel Podence e Thierry Correia", afirmou Salgado Zenha, classificando esses negócios como "interessantes" para o clube.

Nesse contexto, considerou "muitíssimo positivo" o balanço do mercado de transferências de verão, com a permanência de Bruno Fernandes e o encaixe de 62 milhões de euros. "O resultado foi muitíssimo positivo. Foi o segundo maior rendimento com venda de jogadores que tivemos na história da SAD. Depois, a própria janela, se atendermos ao volume de vendas e compras, temos uma receita líquida de cerca de 62 milhões de euros", avaliou o administrador, um dia depois de divulgado o Relatório e Contas da época 2018/19.

Salgado Zenha calculou o volume de vendas, tendo em conta as receitas provenientes das transferências de Raphinha, Bas Dost e Thierry Correia, mas também dos acordos estabelecidos com Atlético de Madrid por Gelson Martins e com o Olympiacos por Daniel Podence.

O Relatório e Contas não contempla ainda as transferências de Raphinha, Thierry Correia e Bas Dost, que só vão constar no exercício 2019/20, mas indica que as saídas decorreram da permanência de Bruno Fernandes. "Do ponto de vista desportivo, conseguimos manter a espinha dorsal do plantel profissional, reforçar posições que achámos fundamentais e manter o nosso melhor jogador. Se tivéssemos tido esta conversa no início do mercado, pouca gente acharia que o Bruno Fernandes ficaria, a verdade é que ficou e conseguimos manter aquele que será o ativo desportivo mais importante", sublinhou.

O responsável 'leonino' explicou a estratégia, com "ajustamentos cirúrgicos no plantel", com a saída de "jogadores considerados excedentários": "Percebemos que conseguíamos ter tanto ou mais rendimento desportivo ao retirar esses excedentários, que recebiam muitíssimo bem e estavam desajustados ao mercado, e introduzindo novos jogadores, nomeadamente, da formação e mais ajustados ao que vão jogar ao longo da época".

Além disso, o Sporting procedeu à venda de "jogadores com mais minutos, mas não ajustados às possibilidades" e com menos repercussões no rendimento desportivo, resultando "na época mais titulada dos últimos 17 anos", com as conquistas da Taça da Liga e Taça de Portugal. "Conseguimos, com isso, fazer uma redução líquida de custos anualizada de 10 milhões de euros, logo em janeiro, que se reflete no relatório e contas em cerca de cinco milhões de euros no ano", frisou.

Desta forma, segundo o dirigente, "os jogadores do plantel têm um salário ajustado ao mercado", facilitando uma eventual transferência, mesmo com o anunciado aumento do vencimento do capitão da equipa. "O Bruno Fernandes terá um aumento adequado ao rendimento dele, dentro das nossas possibilidades. O caso do Bas Dost foi paradigmático, nós podemos fazer um esforço até determinado limite, depois não temos capacidade", referiu.

Questionado sobre o valor apontado para a transferência de Bruno Fernandes, Salgado Zenha observou que o valor do médio depende de muitas variáveis. "Eu não vou lançar números, porque o mercado é dinâmico e eu até estaria disposto a vender o Bruno por um valor, mas depois de o Raphinha sair já só estou disposto por outro. É dinâmico, não vou deixar um número que pode ancorar uma negociação, que depois não faz sentido, porque tem de se analisar o momento do jogador e o momento do rendimento desportivo", sublinhou.

O desafio da administração do Sporting passa por equilibrar financeiramente o clube e manter a competitividade desportiva, ambicionando o reinvestimento na Academia e o reforço da aposta na formação. "Temos de ser pacientes. Eu oiço muitas vezes que os sportinguistas são pacientes há muito tempo, pois são. Eu também sou sportinguista, sou sócio há 26 anos, e também tenho de ser paciente e tenho de ter consciência disso. Se quisermos dar um passo maior do que a perna, vamos ficar pelo caminho e isso não queremos. O que queremos é criar os alicerces para lá chegar", referiu, reconhecendo um passo nesse sentido com a substituição do treinador holandês Marcel Keizer por Leonel Pontes.

Aumento da remuneração na SAD para "atrair talento"

O administrador e vice-presidente leonino disse encarar com naturalidade a proposta de aumento da remuneração para os administradores da SAD do Sporting, para 182 mil euros por ano para o presidente e 131 mil euros para os restantes elementos, que podem ser acrescidos de um montante variável, mediante a concretização de objetivos desportivos e financeiros.

"Não somos nós que decidimos, mas não sou hipócrita, faz sentido porque temos um estudo de benchmarking que mostra que o agora sugerido é muito abaixo da mediana do mercado e, se formos ver, os administradores dos nossos rivais ganham mais do que nós, e não estou a falar de variáveis", explicou Salgado Zenha, acrescentando que esta medida visa "atrair talento" para a administração.

Relativamente à época 2018/19, a Assembleia-Geral da SAD, convocada para 1 de outubro, deverá ratificar a ausência de remuneração variável para os elementos da sociedade, que foi abdicada por todos os elementos, assim como os montantes a receber mensalmente pelo presidente Frederico Varandas (10 500 euros) e os três vogais da administração (7 000). "Em primeiro, quem decide a política de remunerações é uma comissão acionista e, em segundo, esta direção prometeu manter os vencimentos da anterior e recebeu menos, porque abdicaram do 'bolo' dos prémios coletivos indexados aos resultados desportivos", reiterou.

Exclusivos