Aboubakar na convocatória portista para Portimão

O FC Porto conta com o internacional camaronês numa comitiva alargada de 24 jogadores para a visita de sábado ao Portimonense, na 29.ª jornada da I Liga.

Os dragões, que não contam com o central brasileiro Felipe, a cumprir um segundo jogo de castigo, viram Aboubakar regressar na quinta-feira aos treinos, após seis meses de ausência, devido a uma rotura no ligamento cruzado do joelho.

Em tratamento continua Marius, jogador pouco utilizado e que recupera de uma lesão nos adutores.

O treinador Sérgio Conceição conta na comitiva para o Algarve com os três guarda-redes, Casillas, Vaná e Fabiano, num grupo muito alargado e do qual ainda prescindirá de seis jogadores para a ficha de jogo.

Os portistas defrontam no sábado o Portimonense (18.00), em encontro referente à 29.ª jornada, e ainda hoje treinam

Às 17:00, à porta fechada, no Hotel Cascade, em Lagos. No mesmo local, a partir das 19.00, o treinador Sérgio Conceição fará a antevisão do jogo.

Os dragões seguem na segunda posição da I Liga, com os mesmos 69 pontos do líder Benfica, que possui vantagem no confronto direto, enquanto o Portimonense ocupa o 10.º posto, com 32.

Lista de 24 convocados:

- Guarda-redes: Casillas, Vaná e Fabiano.

- Defesas: Maxi Pereira, Éder Militão, Manafá, Alex Telles, Mbemba e Pepe.

- Médios: Bruno Costa, Hernâni, Brahimi, Óliver, Loum, Herrera, Corona, Danilo e Otávio.

- Avançados: Aboubakar, Marega, Adrián Lopez, André Pereira, Soares e Fernando Andrade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.